María Toro Flamenco Jazz Project no Abril, Jazz!

Destacado

Maria Toro

Esse sábado,18-04, teremos no Espaço Cultural o show de Jazz de Maria Toro Flamenco no projeto Abril, Jazz!

Abril, Jazz!
O projeto é uma das novidades na programação do Espaço Cultural Escola Sesc e tem como proposta a realização de uma mostra de Jazz com shows aos sábados do mês de abril. Serão realizadas quatro apresentações musicais ao longo do mês, reunindo diferentes vertentes e formações dentro do estilo musical tema.

Maria Toro Flamenco Jazz Project

A Contraluz traz para o Brasil a essência da música abrangente de María Toro. Espanhola com uma destacada trajetória no flamenco e no jazz, combina o seu trabalho em companhias da Espanha e a Suíça com a sua carreira em Nova York, onde tem se apresentado com artistas de renome como Jack de Jonette ou Jorge Pardo nos palcos do Blue Note ou o Joe’s Pub. A Contraluz sintetiza as inquietações dela, sempre à procura constante de um som próprio nascido do flamenco mas influenciado pelo jazz e outras músicas populares. Toro incorpora a flauta no flamenco e cria uma linguagem única e pessoal que mergulha a plateia em um mundo desconhecido. O projeto é o resultado de muitos anos de pesquisa e criação, agora plasmados em onze músicas que oferecem o contraste dos sons de vanguarda do flamenco com a pureza mesma do antigo, e adiciona o sotaque brasileiro próprio dos músicos que acompanham a artista nessa aventura musical chamada A Contraluz.

Para confirmar presença, basta enviar um email para espacoculturalescolasesc@gmail.com com nome completo e RG, e comparecer até as 19h para garantir e retirar seus bilhetes.

Oficinas – Palco Giratório

Captura de Tela 2015-04-15 às 11.17.58

 

O projeto Palco Giratório – Rede Sesc de Difusão e Intercâmbio das Artes Cênicas tem como principal característica a descentralização dos grandes centros urbanos dessa linguagem artística e as possíveis ações formativas geradas pelos grupos participantes.

O projeto além de promover uma infinidade de experiências estéticas em centenas de cidades, também fomenta as artes cênicas por quase todo o Brasil e cria, por meio do Festival, um panorama de toda a sua programação, composta por 18 grupos de várias regiões do Brasil, além dos grupos locais convidados para integrar a programação a fim de criar uma relação entre os grupos do circuito oficial do Palco Giratório e a produção artística do Rio de Janeiro.

Para assistir as apresentações, basta chegar com antecedência para retirada dos bilhetes.

Para conhecer as oficinas e se inscrever, basta clicar nos links abaixo.

Acesse aqui as oficinas.

Acesse aqui a ficha de inscrição – Palco Giratório

Não fique de fora!

 

V Concurso Jovens Dramaturgos 2015

Captura de Tela 2015-04-13 às 13.35.22

Começa hoje as inscrições para o V Concurso Jovens Dramaturgos, onde jovens de 15 a 27 anos de todo o Brasil podem se inscrever de 13/04 a 08/06 e se for selecionado, poderá ter seu texto publicado e participará também de uma Residência Artística durante o Festival P.E.R.I.F.E.R.I.C.O.

Leia o edital abaixo e participe!

  1. OBJETIVOS
    1. Incentivar a escrita dramatúrgica entre jovens de 15 a 27 anos e dessa forma contribuir para sua formação e estimular sua criatividade.
    2. Proporcionar ao jovem dramaturgo a oportunidade de desenvolver sua vocação literária e com isso oferecer ferramentas que sirvam de auxilio em sua orientação profissional.
    3. Realizar um ciclo de leituras encenadas, a partir dos 05 (cinco) textos selecionados. Esse, está programado para acontecer em escolas públicas do Rio de Janeiro e na Escola Sesc de Ensino Médio (Esem), de 5 a 10 de outubro de 2015, inserido na programação do Festival P.E.R.I.F.É.R.I.C.O..
    4. Publicar os 05 (cinco) textos selecionados, com lançamento no período da residência.
    5. Oferecer aos autores selecionados uma residência artística no período de 5 a 10 de outubro no Espaço Cultural Escola Sesc no âmbito do Festival P.E.R.I.F.É.R.I.C.O.. Nessa residência, assistirão aos espetáculos e apresentações da programação, participarão das conversas após a fruição e de oficinas a fim de ampliar o contato dos mesmos com a área teatral e aprimorar seus conhecimentos.
  2. CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO
    1. Poderão se inscrever jovens de 15 a 27 anos, brasileiros natos ou estrangeiros naturalizados.
    2. Textos escritos em processos de criação coletiva poderão ser inscritos através da escolha de um autor representante. Entende-se que todos os criadores envolvidos no processo criativo devem se enquadrar na faixa etária do concurso.
    3. É vedada a participação dos membros da Comissão Julgadora e/ou seus familiares.
    4. Somente serão aceitos textos inéditos e originais, em língua portuguesa. Entende-se por textos inéditos textos não publicados em meios de comunicação de massa ou impressos com distribuição pública e não encenados comercialmente.
    5. Adaptações de qualquer tipo serão desclassificadas.
    6. Cada autor só poderá apresentar um texto.
    7. Serão aceitas inscrições de textos escritos por autores selecionados em edições anteriores do Concurso Jovens Dramaturgos.
  3. INSCRIÇÕES
    1. Os textos deverão ser apresentados na seguinte formatação: fonte tipo Arial, corpo 12 (doze), espaço duplo, folhas numeradas, no tamanho de papel A-4, com no mínimo 07 e no máximo 15 laudas, identificados apenas pelo título da obra, sem o nome do autor.
    2. Textos que estejam fora da formatação indicada não serão considerados.
    3. Em caso de textos escritos coletivamente, deve ser enviada uma declaração de todos os criadores constando estarem de acordo com as condições do concurso e com a escolha de um dos autores como representante.
    4. Deverá ser enviado em envelope fechado / lacrado, contendo:
      1. Um CD com o texto salvo em pdf e o título da obra no corpo do disco.
      2. Uma cópia do texto encadernada (somente com o título da obra, sem o nome do autor).
  • Ficha de inscrição e autorização de publicação/imagem, completamente preenchida e assinada.
  1. Ficha de declaração dos escritores envolvidos em processo coletivo indicando a concordância com a escolha de um dos autores como representante (apenas em caso de textos criados coletivamente).
  2. Uma cópia do documento de identidade.
  1. As fichas de inscrição, autorização de publicação/imagem e de declaração de criação coletiva podem ser solicitadas pelo email espacoculturalescolasesc@gmail.com ou por meio de download no blog da Gerência de Cultura da Escola Sesc de Ensino Médio: teatroescolasesc.wordpress.com.
  2. Em caso de textos escritos coletivamente, deve ser enviada uma declaração de todos os criadores constando estarem de acordo com as condições do concurso e com a escolha de um dos autores como representante.
  1. O envelope, com o título da obra e o nome completo do autor, deverá ser enviado para: Escola Sesc de Ensino Médio – A/C Gerência de Cultura/ Espaço Cultural Escola Sesc. Endereço: Avenida Ayrton Senna, 5677 – Jacarepaguá CEP: 22775-004.
  1. Os alunos da Escola Sesc de Ensino Médio que desejarem se inscrever, podem entregar o material em mãos no 4º andar do Espaço Cultural Escola Sesc, nos horários de funcionamento desse e no período estabelecido. O material deverá ser entregue conforme item “3.c” do presente edital.
  2. As inscrições devem ser enviadas entre os dias 14 de abril e 06 de junho de 2015. Não serão aceitos envelopes que tiverem o carimbo do correio após esta data.
  1. As postagens, para que a inscrição se realize, devem ser realizadas até o dia 06 de junho, impreterivelmente.
  1. SELEÇÃO
    1. A divulgação das obras selecionadas será realizada até o dia 31 de julho de 2015 no blog da Assessoria de Cultura da Escola SESC de Ensino Médio (espacocultural.escolasesc.com.br).
    2. A seleção dos textos implica publicação das 05 (cinco) obras selecionadas e a participação no ciclo de leituras encenadas, não havendo ordem classificatória entre as mesmas.
    3. A edição contendo as 5 (cinco) obras selecionadas será lançada numa tiragem de 1.000 (hum mil ) exemplares.
    4. Cada autor selecionado receberá 50 (cinquenta) exemplares da publicação
    5. O ciclo de leituras encenadas ocorrerá dos dias 5 a 10 de outubro, data de lançamento do livro, em escolas públicas e na ESEM.
    6. Os autores selecionados serão convidados a participar de uma residência artística, na qual ocorrerá o ciclo de leituras, tendo passagem aérea, hospedagem e alimentação (durante o período) custeadas pelo concurso.
    7. Havendo premiação de um texto concebido coletivamente, será oferecida apenas ao autor representante a participação na residência. Caso esse não possa comparecer, caberá a ele indicar outro autor para representar o grupo criador.
    8. Fica a cargo da organização do concurso a atribuição de outros benefícios, sendo os selecionados informados com antecedência.

 

  1. COMISSÃO JULGADORA
    1. A seleção dos textos que serão publicados e integrarão o ciclo de leituras dramatizadas será realizada em duas etapas:
      1. PRIMEIRA ETAPA: Eliminatória – realizada por integrantes da Assessoria de Cultura da ESEM, técnicos e curadores da Rede Sesc de difusão e intercâmbio das Artes Cênicas especialistas em teatro, dramaturgia e literatura.
      2. SEGUNDA ETAPA: Classificatória – realizada por uma comissão de especialistas em dramaturgia e literatura.
    2. Os critérios para a escolha dos vencedores serão estabelecidos em conjunto pela Gerência de Cultura da Escola Sesc de Ensino Médio e pela Comissão Julgadora, não cabendo recurso às suas decisões.
    3. Os textos inscritos serão avaliados em duas categorias, as quais serão definidas pela idade dos autores. Textos escritos por autores de 15 a 20 anos comporão a categoria A, enquanto textos escritos por autores de 21 a 27 comporão a categoria B. Critérios diferentes serão utilizados na avaliação dessas duas categorias, objetivando estimular a produção de jovens que se enquadrem em toda a faixa etária que o concurso abrange.

 

  1. DISPOSIÇÕES FINAIS
    1. No ato de inscrição os direitos autorais de todas as obras serão cedidos a Gerência de Cultura da Escola Sesc de Ensino Médio, que poderá promover leituras e montagens (sem fins lucrativos) dos textos por até 2 (dois) anos, desenvolver produtos culturais para distribuição gratuita à comunidade e a instituições por tempo indeterminado. Os textos selecionados também serão disponibilizados para download.
    2. Os CDs contendo as obras não selecionadas serão direcionados ao Banco de Textos da Gerência de Cultura da Escola Sesc de Ensino Médio para catalogação no acervo, ficando disponíveis à comunidade para leitura e pesquisa, por tempo indeterminado.
    3. No ato da inscrição, os autores selecionados se comprometem com as atividades de lançamento da publicação e o não comparecimento implica o ressarcimento à Gerência de Cultura da Esem de todos os eventuais custos despendidos para tal.
    4. A inscrição para participação no evento implica a aceitação das normas deste regulamento.
    5. Outros esclarecimentos podem ser obtidos pelo e-mail espacoculturalescolasesc@gmail.com, contendo no assunto o título CONCURSO JOVENS DRAMATURGOS.

Ficha de Inscricao Jovens Dramaturgos

VII Festival Palco Giratório Jacarepaguá/Brasil

 

Palco Giratório 2015

O projeto Palco Giratório – Rede Sesc de Difusão e Intercâmbio das Artes Cênicas tem como principal característica a descentralização dos grandes centros urbanos dessa linguagem artística e as possíveis ações formativas geradas pelos grupos participantes.

O projeto além de promover uma infinidade de experiências estéticas em centenas de cidades, também fomenta as artes cênicas por quase todo o Brasil e cria, por meio do Festival, um panorama de toda a sua programação, composta por 18 grupos de várias regiões do Brasil, além dos grupos locais convidados para integrar a programação a fim de criar uma relação entre os grupos do circuito oficial do Palco Giratório e a produção artística do Rio de Janeiro.

 

 Programação

29/04 e 30/04 das 16h30 ás 19h – Oficina de Dramaturgia com Jorge Louraço (O Teatrão/ Portugal)

Nesta oficina, os participantes serão desafiados a escrever um texto inspirado numa das cenas de Terror e Miséria no III Reich, de Brecht, mas versando a sua realidade. No primeiro dia serão analisadas as cenas escolhidas como mote e debatidos os modos de escrever a partir de material prévio, seguindo-se um exercício prático. No segundo dia serão lidas e analisadas as cenas escritas, seguindo-se um exercício de reescrita, de modo a terminar a oficina com versões finalizadas das cenas.

Jorge Louraço é português, formado em relações internacionais e em antropologia social. Há anos vem se especializando como dramaturgo e pesquisar de teatro. Dirigiu Conta-me Como É (O Teatrão, 2014) que será apresentado na programação do Festival Palco Giratório Jacarepaguá/Brasil. Dramaturgo residente no Teatrão, é docente da Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo, crítico de teatro do jornal Público e bolseiro de doutoramento da FCT. No Brasil, traduziu Ricardo III, de Shakespeare (enc. Marcelo Lazzarato), trabalhou com os encenadores Marco Antonio Rodrigues e Cibele Forjaz e publicou Verás que Tudo É Verdade, sobre o grupo Folias (SP).

30/04 às 15h – Nina, o monstro e o coração perdido / Clareira de Teatro (RS)

Duração: 60 minutos

Classificação etária: livre

Local: Palco

Sinopse: Nina, o monstro e o coração perdido conta a história de uma menina que se desfaz do seu coração para não mais sentir tristeza. É um texto delicado e poético, que fala sobre a necessidade de lidar com os sentimentos. Para abordar esse assunto de forma dinâmica e encantada, a peça ora utiliza a linguagem de contadores de histórias, ora a própria encenação da jornada de Nina e dos percalços do seu amigo Monstro em busca do coração perdido. A amizade e o comprometimento dos personagens são uma valorização das relações pessoais, tão importantes para a integração social, o aprendizado do sentir e conviver em sociedade.

Ficha técnica: Texto: Martina Schreiner / Direção: Lúcia / Direção Musical: Álvaro Rosa Costa / Elenco: Alex Limberger, Gustavo Dienstmann e Valquiria Cardoso / Trilha Sonora Original: Álvaro Rosa Costa / Preparação Musical: Beto Chedid e Álvaro Rosa Costa / Preparação Corporal e Coreografias: Larissa Sanguiné Criação de Luz: Ricardo Vivian / Criação de Figurino e Adereços: Martina Schreiner, Gustavo Dienstmann e Valquiria Cardoso / Criação de cenário: Martina Schreiner e Alex Limberger / Criação de Maquiagem: Lúcia Bendati, Gustavo Dienstmann e Valquiria Cardoso / Fotos: Luciane Pires Ferreira / Produção Executiva: Rodrigo Ruiz

 

01/05 de 10h30 às 17h30 – Oficina Corpo Emaranhado / Núcleo Atmosfera- NUA (MA)

A oficina propõe aos participantes a experimentação de matrizes de danças populares maranhenses, que servirão como base para a desconstrução e construção de obras híbridas a serem apresentadas em diferentes formatos e lugares como resultado final das atividades.

Público Alvo: Artistas em geral

Número máximo de participantes: 20

Ministrantes: Leônidas Portella, Marina Corrêa e Roxa Belfort

02/05 – 16h – Conta-me como é / Cia O teatrão (Portugal)

Duração: 80 minutos

Classificação etária: 12 anos

Local: Palco (100 lugares)

Sinopse:Estreado por ocasião dos 40 anos do 25 de abril, a data da revolução dos cravos em Portugal, o espectáculo CONTA-ME COMO É mostra um conjunto de peças curtas, autênticos pedaços do Portugal contemporâneo surgidos da pena de três premiados dramaturgos e com os quais a Cia. O Teatrão fabrica uma versão própria do país real. Com base nestas três visões particulares da realidade portuguesa, tentam recriar-se, numa sala dessacralizada e reinventada, as formas de comunicação da imprensa, da rádio e da TV, que passam aos cidadãos uma versão oficial de Portugal, formas de comunicação que neste espetáculo são passadas através do filtro poderoso do teatro. Tendo como ponto de partida as obras “Terror e Miséria do III Reich”, de B. Brecht, e “Terror e Miséria no Primeiro Franquismo”, de J. S. Sinisterra, a construção deste projeto começou em 2012 com um seminário de dramaturgia e culminou em 2014 com a apresentação de uma obra que junta 19 atores (entre profissionais e alunos das classes da Cia. O Teatrão) e artistas de várias áreas, desde a dança à ilustração e fotografia.

Ficha Técnica: Textos: Jorge Palinhos, Pedro Marques e Sandra Pinheiro / Encenação: Jorge Louraço / Elenco: Ana Bárbara Queirós, Inês Mourão, Isabel Craveiro, João Santos, Margarida Sousa, Nuno Carvalho / Desenho de Luz: Alexandre Mestre Apoio ao movimento: Marina Nabais / Cenário e Figurinos: Filipa Malva / Banda Sonora: João Castro Gomes/ Ilustração: André Lemos/ Fotografia: Carlos Gomes/ Construção de Cenário: José Baltazar / Costureira: Fernanda Tomás / Direção de Produção: Cátia Oliveira/ Produção Executiva: Nuno Carvalho / Direção Técnica: João Castro Gomes / Equipe Técnica: Alexandre Mestre, João Castro Gomes, Rui Capitão

02/05 às 19h30– Divino / Núcleo Atmosfera – NUA (MA)

Duração: 50 minutos

Classificação etária: livre

Local: Pilotis da Escola Sesc (200 lugares)

Sinopse:Um corpo que se constrói culturalmente e busca – através da arte – explorar a identidade de um povo, suas urgências e suas manifestações culturais mais marcantes para dimensionar o registro historiográfico que relaciona o patrimônio cultural (material e imaterial) com o panorama atual desse patrimônio. “Divino” desencadeia um processo híbrido e incorpora “cultura popular maranhense” a um baú de linguagens artísticas, gerando uma proposta contemporânea, na qual sua motivação central está no discurso que um corpo propõe sobre a preservação de uma história.

Ficha técnica: Concepção, direção e pesquisa: Leônidas Portella / Atuação: Leônidas Portella, Roxa Belfort (Mestra Roxa), Maria da Graça (Dona Gracinha) e Marina Corrêa / Iluminação e contrarregra: Paulo Socha / Vídeos: Leônidas Portella e Diones Caldas / Foto e edição de vídeo: Paulo Socha / Objetos de Cena e Figurino: João Almeida Costuras: Diva Dias

04/05 às 19h30 – Guerra, Formigas e Palhaços / Grupo Estação de Teatro (RN)

Duração: 60 minutos

Classificação etária: 12 anos

Local: Palco (600 lugares)

Sinopse:Dois militares, últimos remanescentes de um batalhão de combate, se encontram perdidos em uma guerra. Ao tenente e ao soldado cabe agora a tarefa de defenderem o pequeno território ainda não tomado pelas forças inimigas. Os dois sabem que a única forma de saírem vivos da situação é a possível chegada de reforços. Porém, quando todas as saídas parecem se fechar, um fato inusitado acontece: o batalhão de dois homens finalmente se depara, estupefato, diante daquele que pode carregar o último fio de esperança.

Ficha técnica: Direção: Rogério Ferraz / Dramaturgia: César Ferrario / Elenco: Enio Cavalcante, Pedro Queiroga, Rogério Ferraz e Davidson Lacerda Assistente de Direção e preparadora corporal: Carla Martins / Trilha Sonora: Willames Costa e Caio Padilha / Figurino e adereços: Irapuan Júnior / Cenário: Rogério Ferraz e Irapuan Júnior / Iluminação: Ronaldo Costa / Projeto Gráfico: Danilo Tenório Produção: Tatiane Fernandes / Fotografia: Joanisa Prates e Pablo Pinheiro / Operação de Luz: Manu Azevedo Operação de Som: Caio Padilha

05/05 às 19h30 – Exu, a Boca do Universo / NATA – Núcleo Afrobrasileiro de Teatro de Alagoinhas (BA)

Duração: 70 minutos

Classificação etária: 18 anos

Local: Palco (100 lugares)

Sinopse: ‘Exu – a boca do universo’ é um espetáculo de celebração à vida. O espetáculo narra sem compromisso cronológico momentos em que Exu se mostra diferente daquilo que tanto se pregou na cultura ocidental sobre o orixá que rege a comunicação e a liberdade no candomblé. Optando por uma dramaturgia músico-poética, pela encenação onde atores que se personificam sobre as diversas concepções do orixá Exu, o humano e o divino se entrelaçam na celebração à condição de estar vivo. Exu em suas várias facetas se mostra no espetáculo como alguém que valoriza o movimento da vida, do falar ao agir, do pensar ao sentir.

Ficha técnica: Direção: Fernanda Júlia / Texto: Daniel Arcades, Direção Musical: Jarbas Bittencourt / Coreografia: Zebrinha / Cenografia, Figurinos e Maquiagem: Thiago Romero / Produção: Nata e Kalik Produções / Realização: Núcleo de Teatro do Teatro Castro Alves / elenco: Antonio Marcelo Daniel Arcades, Fabíola Julia, Fernando Santana, Thiago Romero / musicista: Sanara Rocha

 06/05 às 19h30 – As Três Irmãs / Traço Cia. De Teatro (SC)

Duração: 80 minutos

Classificação etária: 12 anos

Local: Palco (100 lugares)

Sinopse: O espetáculo discorre sobre o desejo das irmãs Olga, Maria e Irina de retornarem à cidade natal, de onde saíram há onze anos com o pai, general militar. Ainda mais importante que o plano dos acontecimentos, porém, é a exposição dos conflitos que se estabelecem entre o plano da vida material – o cotidiano – e o plano espiritual – a eternidade. O espetáculo aborda o clássico texto do dramaturgo russo Anton Tchékhov a partir da técnica do palhaço.

Ficha técnica:Texto: Anton Tchékhov / Adaptação e Direção: Marianne Consentino / Elenco: Débora de Matos, Greice Miotello e Paula Bittencourt / Músicos: Cassiano Vedana, Gabriel Junqueira e Mariella Murgia / Concepção Musical: Cassiano Vedana, Gabriel Junqueira, Mariella Murgia e Neno Miranda / Iluminação Ivo Godois / Figurino e Cenografia: O grupo Orientação de Pesquisa Prof.Dr. Armando Sérgio da Silva e Prof. Dr. Valmor Nini Beltrame / Produção Caroline Dalprá / Operação de Luz Egon Seidler

 

06/05 de 10h30 às 17h30 – Oficina Dança Afro para não dançarinos/ NATA – Núcleo Afrobrasileiro de Teatro de Alagoinhas (BA)

Público alvo: aberto a todos, sem necessidade de experiência anterior

Número máximo de participantes: 20

Ministrante: Fabíola Julia

Colocar não dançarinos em contato com a dança afro, proporcionando auto conhecimento corporal, ativando a energia do corpo, conectando o indivíduo às suas pulsações e pulsões energéticas e tendo contato com a força ancestral presente na dança afro.

 

07/05 às 15h – Plural / Cia. De Teatro Nu Escuro (GO)

Duração: 55 minutos

Classificação etária: 10 anos

Local: Palco (100 lugares)

Sinopse: PLURAL é a trama tecida pelas histórias de uma menina chamada Maria. Suas primeiras recordações remetem aos seus sete anos, onde se distraia brincando com uma boneca de milho no terreiro de sua casa, enquanto sua avó cozinhava no fogão a lenha e lhe falava pela janela. A narrativa segue costurando memória em memória, fiando do universo rural ao urbano, bordando histórias vividas e sentidas, com seus encantos, medos, violências, coragens, lamentos e alegrias. Uma trama sempre tensionada entre o drama e a poesia, o trágico e o humor. Inspirado nas histórias reais das mães do integrantes da Cia de Teatro Nu Escuro.

Ficha técnica: Direção Geral: Izabela Nascente / Assistente de direção: Lázaro Tuim / Pesquisa visual – Rô Cerqueira / Dramaturgia: Hélio Fróes, Abilio Carrascal e Izabela Nascente /Atores/ Manipuladores: Abilio Carrascal, Adriana Brito e Eliana Santos / Trilha sonora e preparação musical: Abilio Carrascal / Música original “Bananas em Chamas”: Hélio Fróes e Cristiane Perné / Iluminação – Rodrigo Assis / Direção de vídeo: Rô Cerqueira e Lázaro Tuim / Projeção Mapeada: Lina Lopes / Concepção de bonecos, figurinos e cenário: Izabela Nascente / Identidade Visual: Marcos Lotufo/ Fotografias do espetáculo: Layza Vasconcelos / Direção de Produção – Lázaro Tuim Produção – Bruno Garajau e Luana Oto (Balaio Produções)

 

08/05 às 19h30 – O Cabra que Matou as Cabras/ Cia. De Teatro Nu Escuro (GO)

Duração: 55 minutos

Classificação etária: 12 anos

Local: Anfiteatro (200 lugares)

Sinopse: Um advogado vigarista, que sobrevive dando pequenos golpes em seus clientes, se vê envolvido em um caso de assassinatos de cabras e bodes. Uma trama cheia de traições, trapaças e reviravoltas, onde uma esposa maliciosa engana seu marido advogado que engana um comerciante ganancioso que engana seu empregado que engana um juiz que quer enganar todo mundo.

Uma comédia visceral que lida com as relações de poder e hierarquia implícitas no cotidiano das pessoas e trás o riso como força reveladora e de libertação, um riso festivo que não forja dogmas nem é autoritário, que exorciza os nossos medos e a nossas angustias.

Ficha técnica: Elenco: Abilio Carrascal, Adriana Brito, Eliana Santos, Izabela Nascente e Lázaro Tui, Direção Musical: Sergio Pato, Preparação Vocal: Abilio Carrascal, Coreografias e Preparação Corporal: Lázaro Tuim, Cenografia: Mara Nunes e Hélio Fróes, Figurinos e Bonecos: Izabela Nascente, Assistência de Figurinos: Mara Nunes, Maquiagem: Cia Nu Escuro, Confecção de Próteses: Moema Rodrigues, Cenotecnia: Enoc Moia, Iluminação: Hélio Fróes, Coordenação de Pesquisa: Pedro Plaza, Maurício de Bragança, Pesquisa Histórica: Allysson Garcia e Bruno Garajau, Documentação em Vídeo: Fora da Lei, Programação Visual: Fábio Franco, Assessoria de Imprensa: Ana Paula Mota, Produção Executiva: Milena Jezenka, Direção de Produção: Marcelo Carneiro, Assistência de Produção: Emersom Caldas, Direção e Dramaturgia: Hélio Fróes

 

09/05 das 14h às 20h – Dança Contemporânea a Domicílio / Cláudia Müller (RJ)

Duração: 10 min / intervenção

Classificação etária: livre

Local: Escola Sesc de Ensino Médio

Sinopse: Dança Contemporânea em Domicílio propõe entregar dança contemporânea em locais onde ela não é esperada, buscando espaços despercebidos, brechas no cotidiano.

Uma dança que se importa menos com movimentos concretos e mais com os espaços imaginários abertos no encontro com o espectador – consumidor: qual o lugar deste ofício, como é percebido, quais seus recursos, qual seu alcance, como é remunerado?

Qualquer pessoa pode solicitar gratuitamente Dança Contemporânea em Domicílio em qualquer lugar que queira recebê-la (em sua casa, escritório, loja, mercado, em uma praça, no restaurante que frequenta etc.) através de um telefonema.

Ficha técnica: Concepção, criação e performance: Cláudia Müller / Colaboração dramatúrgica: Micheline Torres / Programação visual: Theo Dubeux

 

09/05 às 15h – Bisa Bia, Bisa Bel/ Direção de Joana Lebreiro (RJ)

Duração: 60 min

Classificação etária: livre – Recomendado para crianças de 5 a 12 anos

Local: Palco (600 lugares)

“Bisa Bia, Bisa Bel”, conta a história da menina Isabel, que aprende a lidar consigo mesma no convívio imaginário com sua bisavó e sua bisneta. Três tempos e três vivências se cruzam numa mistura encantadora do real com a fantasia. O espetáculo tem como ponto de partida um grupo de cinco crianças que, juntas, leem o clássico de Ana Maria Machado. A partir daí, o livro ganha vida no palco através de canções e jogos, onde os amigos brincam e interpretam os personagens.

Ficha Técnica: Texto – Ana Maria Machado / Adaptação e direção – Joana Lebreiro / Direção musical e arranjos – Marcelo Rezende/ Canções originais – Joana Lebreiro e Marcelo Rezende / Elenco: Viviana Rocha / Gisela de Castro / João Lucas Romero / Júlia Ludolf / Vicente Coelho / Cenário – Carlos Alberto Nunes / Figurino – Mauro Leite/ Iluminação – Aurélio de Simoni/ Direção de Movimento – Nathalia Mello / Programação Visual – Miguel Carvalho / Fotografia – Rudy Hülhold / Produção – Alexandre Mofati e Maria Alice Silvério

 

11/05 às 19h30 – Criaturas de Papel / Bricoleiros (CE)

Duração: 60 minutos

Classificação etária: livre

Local: Palco (600 lugares)

Sinopse: Papéis brancos ganham formas geométricas e são transmutados em figuras cênicas que meticulosamente animados ganham vida. Encontros e partidas formam a teia principal desse espetáculo. Seus ganhos e perdas parecem nos comunicar que a vida é feita de construções e desconstruções de realidades e momentos. Como seres animados, imbuídos da existência, buscam o outro num impulso vital. O espetáculo fala de encontros enquanto força fundamental do pulso de existir e habitar um espaço.

Ficha técnica: Direção – Cristiano Castro / Roteiro e cenografia: O Grupo / Criação dos bonecos: Cristiano Castro e Eliania Damasceno / Figurino – Eliania Damasceno / Concepção da sonoplastia: Cristiano Castro / Concepção da iluminação: Marconi Basílio, Cristiano Castro e Fernando Silver / Elenco: Cleiviane Marques Vasconcelos, Eliania Damasceno Marconi Basílio, Eder Machado

 

12/05 às 19h30 – Playlist / Movasse Coletivo de Criação em Dança (MG)

Duração: 50 minutos

Classificação etária: 12 anos

Local: Palco (100 lugares)

Sinopse: Playlist é uma obra a ser construída a cada apresentação. São 45 minutos cênicos completamente improvisados que contam com a participação do público para definir as bases do espetáculo da noite.

Há 8 temas pré-definidos que intitulam 8 Playlists a serem escolhidos no inicio da apresentação, pela plateia. Além disso, o público determina como a apresentação começa e como ela termina, escolhendo a composição de bailarinos em cena.

A proposta de deixar que o público escolha a trilha sonora e também algumas composições cênicas, permite que a platéia participe como um norteador do espetáculo, tornando-o imprevisível e próximo ao lúdico destas pessoas. Desta maneira, Playlist se torna um trabalho único a cada apresentação e propõe a interação harmônica com um público estimulador. Em cada cidade é escolhido um bailarino convidado para participar do espetáculo, o que o torna ainda mais instigante e desafiador.

Ficha Técnica:

Bailarinos improvisadores: Andréa Anhaia, Carlos Arão, Ester França, Fábio Dornas, Trilha Sonora:Organização das listas de música: Equipe Playlist, Sonoplastia: Marina Braga Campos, Intermediação: Miriam Beatriz dos Santos Menezes, Iluminação: Rafael Junio França

 

13/05 às 19h30 – Nowhereland – Agora Estamos Aqui / Movasse Coletivo de Criação em Dança (MG)

Duração: 60 minutos

Classificação etária: 12 anos

Local: Palco (600 lugares)

Sinopse: O Movasse foi buscar na obra cinematográfica de Tim Burton inspiração para a criação coreográfica de um espetáculo de dança. As obras do diretor são marcadas por uma recriação fantástica do real, sempre com um tom de comédia e resvalando em toques de humor macabro. A tênue linha que separa o real do imaginário foi o ponto de partida para desvendar o tema. Até onde estamos seguros do que é real e do que é apenas fruto de nossa imaginação? Somos feitos apenas dos fatos concretos do dia dia ou somos aquilo que imaginamos ser? Estas são algumas perguntas que surgiram durante o processo e depois se transformaram em movimento, iluminação, trilha sonora e figurino. Nowhereland foi considerado melhor Espetáculo de Dança de 2013, em Minas Gerais pelo Premio SINPARC, além de receber ainda os prêmios de melhor cenário, trilha sonora e concepção coreográfica.

Ficha técnica: Criação e Realização: Movasse – Coletivo de Criação em Dança / Direção Artística : Sônia Mota / Bailarinos: Andréa Anhaia, Carlos Arão, Ester França e Fábio Dornas / Trilha Sonora: Kiko Klaus / Cenário: Vermelho Steam / Desenho de luz: Márcio Alves / Figurino:Silma Dornas / Iluminador: Rafael Junior França / Tecnico de Montagem: Mirian Beatriz Menezes / Produção e coordenação técnica: Marina Braga Campos / Programação Visual: Paula Cabral

 

14/05 às 19h30 – Proibido Elefantes / Companhia Gira Dança (RN)

Duração: 55 minutos

Classificação etária: 14 anos

Local: Palco (600 lugares)

Sinopse: PROIBIDO ELEFANTES é um espetáculo que fala do olhar como via de acesso, porta de entrada e saída de significados. O modo como percebemos a “realidade” é resultante do diálogo que estabelecemos com esta: nosso olhar é constituído pela realidade assim como a realidade é constituída pelo nosso olhar – a construção do sentido transita em via de mão-dupla. O olhar enquanto apreensão subjetiva do mundo é, neste trabalho, apontado como elemento potencializador do sujeito diante do mesmo. Proibir elefantes é restringir o acesso, impedir o livre trânsito do animal que serve como meio de transporte na Índia, mas que causaria enormes transtornos em outras localidades. Proibir elefantes, neste espetáculo, é proibir o olhar que ressalta as limitações, os impedimentos; que duvida da capacidade do sujeito frente à adversidade. Proibir elefantes, aqui, é apostar no olhar do sujeito sobre si e sobre o mundo em que vive como elemento ressignificador e instaurador de realidade.

Ficha técnica: Concepção, Coreografia e Direção: Clébio Oliveira / Direção Artística: Anderson Leão / Bailarinos/criação: Álvaro Dantas, Jania Santos, Joselma Soares, Marconi Araújo, Rodrigo Minotti e Rozeane Oliveira / Produção Executiva: Celso Filho / Trilha Sonora Original: Toni Gregório / Figurino: Loris Haas / Design de Luz: Ronaldo Costa / Operação de Luz: Daivid Costa / Fotografia/Vídeo: Rodrigo

 

15/05 às 19h30 – Sobre Todas as Coisas / Companhia Gira Dança (RN)

Duração: 35 minutos

Classificação etária: Livre

Local: Palco – 600 lugares

Sinopse: Condição humana e suas fragilidades. Quando podemos dizer que somos normais ou não? O que é normal? O que é anormal? Como conviver naturalmente com o diferente? Até que ponto o ser e a sua capacidade de superação e a incapacidade do outro de aceitação vão? A condição física é um mero detalhe e a condição mental é o que muda o homem e o mantém em circunstâncias de altear o que lhe parece trágico e frágil. Não existe o frágil, existe um meio que fragiliza o outro (o ser).Essa é a proposta do espetáculo “Sobre todas as coisas”, onde os bailarinos da Cia. Gira Dança irão contrapor o frágil da sociedade, o frágil do ser humano ou o meio que o torna assim.

Ficha Técnica: Concepção, Coreografia e Direção: Dave Carvalho, Direção Artística: Anderson Leão, Produção Executiva: Celso Filho, Trilha Sonora: Mestre Salustiano – voz e música, Antônio Guimarães, Quarteto Armorial, Rabequeiros de Pernambuco, Antigone e Marlui Miranda., Concepção de figurino: Dave Carvalho, Produção de figurino e Adereço: Alex Dantas e Dave Carvalho, Pesquisa de figurino: Greicy Xavier, Desenho e operação de luz: Daivid Costa, Fotografia e vídeo: Anderson Leão, Edição de vídeo: Daivid Costa, Programação Visual: Anderson Leão, Consultoria de Projetos: Ana Paula Medeiros, Consultoria de Marketing: Carol Carvalho, Elenco: Álvaro Dantas, Jania Santos, Joselma Soares, Marconi Araújo, Rodrigo Minotti, Rozeane Oliveira, Joselma Soares e Wilson Macário.

 

16/05 às 19h30 – O Descotidiano / Cia. Do Relativo (SP)

Duração: 45 minutos

Classificação etária: livre

Local: Palco (600 lugares)

Sinopse: Em cena, um ser solitário e excêntrico, que busca através da desconstrução de seu cotidiano uma nova motivação para sorrir. Dentro de sua casa, com poucos móveis e sentimentos, ele dá novos significados a objetos do dia a dia: jornais, xícaras, livros e vassouras são manipulados de maneira inesperada, criando situações cômicas e surreais. O criador, ator e diretor do espetáculo, Otavio Fantinato, também faz uso de bolas de malabarismo clássico para ilustrar essa procura por um novo sentido para a vida.

Ficha técnica: Criação, direção e atuação: Otavio Fantinato / Cenografia: Eduardo do Amaral / Desenho da luz: Sérgio Pires e Eduardo Amaral / Trilha sonora: Otavio Fantinato / Figurino: Julia Pacheco / Operador de luz: Eduardo Amaral / Operador de som: Tassio Folli

 

17/05, de 10h30 às 17h30 – Oficina O Teatro de Rua e Ator Inventivo / Grupo de Teatro de Pernas Pro Ar (RS)

Público alvo: a partir de 16 anos

Número máximo de participantes: 15 pessoas

Ministrante: Luciano Wieser e Grupo

Possibilitar experimentações com o corpo e a manipulação de objetos com liberdade de criação em busca da linguagem propria. Esta é a proposta desenvolvida pelo DePernasProAr que vem da sua experiência nestes 26 anos misturando e borrando as fronteiras das artes em varias linguagens como o Circo, a música, o teatro de animação e o teatro de rua. Almejando a busca do ator inventivo.

 

18/05 às 17h – O Lançador de Foguetes / Grupo de Teatro De Pernas Pro Ar (RS)

Duração: 60 minutos

Classificação etária: livre

Local: Anfiteatro (200 lugares)

Sinopse: Personagem instigante que está a procura do lugar ideal, converge o espaço físico e a energia do público, elementos essenciais para a excelência de sua experiência científica. Deslocando-se com destreza pela rua, através de seu triciclo recheado de elementos cênicos, calcula os fenômenos físicos que podem interferir nesta jornada. utiliza os malabares circenses e as engenhocas astrológicas para medir as distâncias, calcular o vento e sentir as energias. Busca parceiros para esta jornada, computa todas as informações e através de uma trilha sonora empolgante e curiosa lança seus foguetes …ideias ao ar. ATENÇÃO! Nem sempre as medições, coordenadas insufladas em função das correntes marítimas ventais hexagonais, somadas a ação gravitacional do planeta em mudança e a energia materializada do pensamento proporcionam um lançamento com excelência…

Ficha técnica: Ator criador/Diretor/Cenografo: Luciano Wieser / Produção/Figurinos/Maquiagem/Montagem/Assistência de direção: Raquel Durigon / Contra regra e Montagem: Odair Fonseca de Souza / Música e execução: Jackson Zambelli e Sergio Olivé

 

19/05 às 15h – Mira/ Grupo de Teatro De Pernas Pro Ar (RS)

Duração: 40 minutos

Classificação etária: livre

Local: Anfiteatro (200 lugares)

Sinopse: Bonecos Gigantes, livremente inspirados nas obras do artista plástico Espanhol Joan Miró, representam estranhas formas de vida com capacidade de mostrar a realidade de forma simples e simbólica. Relações lúdicas, corriqueiras sugerem o desprendimento da aparência real dos bonecos , nos fazendo mergulhar na nossa própria identidade. Esta metáfora composta pela sutileza de contrastes de cada personagem, sugere as diferenças com leveza, cor, luz e poesia.

Mirar estas figuras em situações tão puras e cotidianas, embaladas por uma trilha sensível e empolgante nos aproxima, nos faz voltar a ser criança ou simplesmente nos traz um colorido a vida.

 

19/05 de 10h30 às 17h30 – Oficina Do Boneco à Sombra / Cia. A Roda (BA)

Público Alvo: Interessados em artes cênicas

Número máximo de participantes: 20 pessoas

Ministrante: Olga Gomez e elenco da Cia.

Serão abordadas concepções filosóficas sobre a sombra e os participantes experimentarão diferentes focos luminosos e silhuetas cortadas em couro do acervo do grupo. O objetivo é sensibilizar os sentidos, provocar distorções na imagem e expressar emoções por meio do objeto intermediário que é a figura de sombra.

 

20/05 às 19h30 – O Pássaro do Sol / Cia. A Roda (BA)

Duração: 50 minutos

Classificação etária: livre

Local: Palco (600 lugares)

Sinopse: Adaptado da mitologia indígena brasileira pela escritora Myriam Fraga, o texto narra a história de um jovem que é transformado em pássaro para ir ao céu roubar as chamas do palácio do sol. A encenação utiliza o teatro de sombras, antigo gênero de animação que tem na China uma das mais antigas tradições. As silhuetas são recortadas em couro pela artista plástica Olga Gómez, que também é responsável pela direção e adaptação do texto. Selecionado como “Melhor espetáculo Infantojuvenil” de 2010 pelo Prêmio Braskem de teatro, o espetáculo conta com trilha escrita para a montagem pelo compositor Uibitu Smetak. A história ganha vida pelas mãos dos atores animadores que fazem da grande tela o palco para as aventuras do índio Japú.

Ficha técnica: Texto: Myriam Fraga / Direção e bonecos: Olga Gómez / Direção de Produção: Marcus Sampaio / Direção Musical: Uibitu Smetak / Direção de cenas e narração: Osvaldo Rosa / Cenários: Fabio Pinheiro / Manipulação: Naiara Gramacho, Bernardo Oliveira, Ana Luiza Reis e Elinaldo Nascimento / Fotos: Marcio Lima

 

21/05 às 19h30 – O Silêncio e o Caos / Dielson Pessoa (PE)

Duração: 50 minutos

Classificação etária: 14 anos

Local: Palco – (100 lugares)

Sinopse: O espetáculo “O Silêncio e o Caos” tem como ponto inicial uma experiência psicológica vivida pelo próprio Dielson Pessoa e trata da questão como algo inerente ao humano. Abre um leque de discussões sobre as psicoses, levando o público a perceber que essas duras passagens são muito enriquecedoras, principalmente quando vistas por um prisma respeitoso e longe de preconceitos. O elemento disparador ou conteúdo deste solo está presente em âmbito universal, uma vez que muitas pessoas passam por situações similares e, por medo ou preconceito, evitam expor as suas tragédias pessoais. O fato de ter bipolaridade, e poder investigar e comentar sobre este problema auxilia no processo de auto conhecimento e fortalecimento do indivíduo, deslocando o assunto para uma questão da sociedade e não mais como único e pessoal.

Ficha técnica: Bailarino-criador: Dielson Pessoa / Direção: Maria Paula Costa Rêgo / Figurinos: Gustavo Silvestre / Iluminação: Jathyles Miranda / Trilha Sonora Original: AD Ferreira / Intervenções ao vivo: Lucas Ferraz e Renato Da Mata / Produção: Cyro Morais

 

22/05 às 19h30– O Braile, uma dança às cegas / Cia PeQuod (RJ)

Duração: 20 minutos

Classificação etária: 14 anos

Local: Palco – (100 lugares)

Sinopse: A idéia por trás de “O Braile, uma dança às cegas”, coreografia inédita dirigida por Duda Paiva, surge da potente experiência que a Cia PeQuod teve ao convidar renomados coreógrafos cariocas para criarem quadros que só um boneco poderia executar, assim nasceu PEH QUO DEUX, mais recente espetáculo da PeQuod, Ao conjugar o teatro de animação e a dança contemporânea, PEH QUO DEUX apostou no cruzamento de linguagens e marcou uma nova etapa de investigação do movimento humano, largamente estudado pela PeQuod. As partituras construídas extrapolam os limites do movimento humano e o espetáculo, composto por quadros, destaca-se pela precisa movimentação técnica dos manipuladores, revelando muitas camadas deste pas-de-deux entre a dança e o teatro de animação, inspirado pela literatura.

Por tudo isto, Duda Paiva pareceu ser o artista perfeito para colaborar neste momento com a PeQuod e dar continuidade em sua pesquisa na busca por uma conexão mais profunda entre objeto e manipulador, em prol do movimento poético e fluido. Há vinte anos radicado em Amsterdã, na Holanda, Duda Paiva é um dos pioneiros de um novo conceito que mescla dança contemporânea e manipulação de marionetes clássica, usando o movimento e a voz como instrumentos narrativos dentro da coreografia.

 

23/05 às 15h – O Som das Cores / Catibrum Teatro de Bonecos (MG)

Duração: 60 minutos

Classificação etária: livre

Local: Palco – 100 lugares

Sinopse: Inspirado em famosas fantasias literárias, o espetáculo conta a história da jovem Lúcia, que se aventura no mundo do impossível. Do subterrâneo das estações de metrô ao universo infinito de sua imaginação, ela terá que enfrentar seus medos e todos os seus inimigos.

Ficha técnica: Dramaturgia e Direção: Lelo Silva / Produção Executiva: Adriana Focas / Intérpretes: Daniela Perucci, Leandro Marra, Patrícia Rache e Aurora Majnoni / Criação e Construção da Estrutura cênica: Tim Santos / Criação e desenho dos Bonecos: Eduardo Santos / Trilha Sonora: Graveola e o Lixo Polifônico / Sonoplastia: Tim Santos / Criação da Luz: Lelo Silva, Ítalo Tadeu, Tim Santos e Leandro Marra / Fotos: Guto Muniz

 

24/05 de 10h30 às 17h30 – Intercâmbio com Catibrum Teatro de Bonecos (MG) e Cia PeQuod (RJ)

Intercâmbio é uma trica de experiências que será realizada pelos grupos com o intuito de gerar novas possibilidades de trabalho e integração entre grupos afins.

 

25/05 às 19h30 – Antes de Chuva / Cia. Cortejo (RJ)

Duração: 60 minutos

Classificação etária: 14 anos

Local: Palco – 100 lugares

Sinopse: Aramís encontra Ana numa casa abandonada, onde ela mora com a avó. O menino, na ocasião com 11 anos, é chantageado pela moça para que deixe que ela o veja nu e depois leia pra ela em voz alta. Inspirada pelas histórias de espionagem lidas pelo garoto, Ana planeja uma fuga no navio do Papa que passará em breve pelo povoado.

Ficha técnica: Elenco: Bruna Portella (Ana), Luan Vieira (Aramís) / Texto, direção e iluminação: Rodrigo Portella / co-direção: Léo Marvet / figurinos: Bruno Perlatto / trilha sonora: Felipe Chernicharo / preparação vocal: Jane Celeste Guberfain / produção: Trilhos Produções Artísticas / produção executiva: Larissa Gonçalves / realização: Cia. Cortejo

 

25/05 de 10h30 às 17h30 – Oficina de Danças Nordestinas / Balé Popular do Recife (PE)

A oficina irá oferecer iniciação à metodologia Brasílica de dança com o objetivo de ensinar aos participantes os principais movimentos e os passos básicos de alguns dos ritmos da cultura popular nordestina como: Ciranda, Coco, Guerreiro, Afoxé, Maracatu e Frevo.

Ministrante: Angélica Madureira e Ângela Fischer

Vagas: 20

 

26/05 às 19h30 – Nordeste a Dança do Brasil / Balé Popular do Recife (PE)

Duração: 60 minutos

Classificação etária: 12 anos

Local: 600 lugares

Sinopse: Nordeste – A dança do Brasil é um retrato em movimento da riqueza cultural que vem desta região do país, marcada por um intenso processo de hibridização. O Balé Popular do Recife propõe um espetáculo de cor, brilho e beleza. Danças típicas do Carnaval, do São João, do Natal, e expressões de origem afroameríndia compõem o repertório dessa obra, que marcou a consolidação da linguagem original em dança que o Balé criou, baseada nas manifestações da cultura popular nordestina. Frevo, Maracatu, Caboclinhos, Ciranda, Xaxado e Guerreiro são apenas alguns dos ritmos que fazem do espetáculo que representa toda a força e alegria de um povo.

Direção geral: Ângela Fischer Concepção, Direção artística e Coreografias: André Madureira Assistente de direção: Angélica Madureira, Produção e gestão: Christanne Galdino Assistente de produção: Carla Navarro Figurinos: Lourdes Madureira e Ângela Fischer Camareiro e assistente de figurino: Smile Galvão, Elenco:Angélica Madureira; Élide Leal; Joana Lima; Marcella Figueiras; Samantha Rúbya; Simone Santos: Tita Pereira; Adriano Silva; Anderson Vieira; Douglas Marques; Gustavo Rocha; Jefferson Arruda; Márcio Nascimento; Marconi Stylebrasil. Bailarina substituta: Kezya Mayara

 

27/05 às 19h30 – Umbigar / Direção: Paula Águas/RJ

Duração: 70 minutos

Classificação etária: 12 anos

Local: Palco – 600 lugares

Sinopse: Misturar elementos do tradicional com um olhar contemporâneo foi o mote que inspirou o espetáculo Umbigar! Instrumentos em cena, memórias de vida e a necessidade em compartilhar experiências pelas andanças no Brasil e em Moçambique revelam o universo feminino, a partir da gestualidade que vem dos movimentos do umbigo, do ventre – danças de umbigada afro-brasileiras – jongo, coco, samba de roda, lundu e tambor de crioula – que traçam uma corporalidade particular por todo o território nacional.

Ficha Técnica: Direção Cênica: Paula Aguas e Natasha Mesquita/ Performance e pesquisa: Juliana Manhães/ Direção Musical: Sergio Castanheira/ Figurino: Vanessa Machado/ Assistente de Figurino: Laura Santos/ Cenografia: o Coletivo/ Iluminação: Luiz André Alvim e Guiga Ensá/ Operadora de luz: Juju Moreira/ Voz em off: Rita Ribeiro/ Poesia (recorte): Ferreira Gullar/ Fotografia: Maria Elisa Franco / Designer Gráfico: Fernando Alax/ Produção: Ponteio produções LTDA

 

24/05 de 10h30 às 17h30 – Intercâmbio com a Juliana Manhães e o Balé Popular do Recife (PE)

Intercâmbio é uma trica de experiências que será realizada pelos grupos com o intuito de gerar novas possibilidades de trabalho e integração entre grupos afins.

 

28/05 às 19h30 – Avental Todo Sujo de Ovo / Grupo Ninho de Teatro (CE)

Duração: 70 minutos

Classificação etária: 12 anos

Local: Palco – 100 lugares

Sinopse: Com texto do dramaturgo cearense Marcos Barbosa, estreou no início do ano de 2009. Trata da relação familiar, com seus sentimentos, suas limitações e suas in/verdades. Propondo uma intimidade com o público, o elenco deste espetáculo convida os espectadores a visitarem a casa de Alzira e Antero, o casal que há dezenove anos, junto à comadre Noélia vive a angustiante espera do filho Moacir que sumiu de casa aos nove anos de idade. Este cotidiano só se modificará a partir da inesperada visita de Indienne Du Bois. Para promover a atmosfera de intimidade, esta história é contada em espaço cênico de semi arena, sobre um tapete de arroz a uma distância mínima do público, provocando neste, um reflexivo e ativo olhar sobre as relações familiares.

Ficha técnica: Texto: Marcos Barbosa / Direção: Jânio Tavares / Elenco: Edceu Barboza, Joaquina Carlos, Rita Cidade e Zizi Telécio / Concepção de figurino: Jânio Tavares e Carol Landim / Criações Concepção de cenário: Jânio Tavares e Wanderley Peckovski / Concepção e execução de luz e som: Jânio Tavares / Produção: Monique Cardoso / Concepção e execução de maquiagem: Grupo Ninho de Teatro Adereços: George Belisário / Contra regragem: Elizieldon Dantas Sâmia Oliveira

 

29/05 às 19h30 – Vigor Mortis Jukebox Vol. 1 / Cia. Vigor Mortis (PR)

Duração: 60 minutos

Classificação etária: 16 anos

Local: Palco – 100 lugares

Sinopse: Vigor Mortis Jukebox Vol. I traz experiência cognitiva singular. “Vigor Mortis Jukebox Vol I” é o mais novo conceito a explorar esses limites. Uma ideia que radicaliza questões sobre a comunicação entre um espetáculo teatral e o olhar do público. Ao mesmo tempo, permanece dentro do universo de cultura pop e sofisticação visual tradicionais em um trabalho da Vigor Mortis. ‘Jukebox’ não se parece com nada que a Vigor Mortis já tenha feito. A montagem cria uma experiência teatral singular.

Ficha técnica: Texto | Direção | Videos : Paulo Biscaia Filho / Direção de Produção | Fotos : Marco Novack Estrelando: Kenni Rogers / Atrizes em Video: Guenia Lemos | Uyara Torrente | Viviane Gazotto / Trilha Sonora Original : Demian Garcia / Cenografia : Guenia Lemos / Iluminação : Wagner Corrêa / Figurinos: Dayane Bernardini / Maquiagem : Marcelino de Miranda / Cenotécnico : Bira Paes

 

30/05 às 19h30 – Boi de Piranha / Cia. Boi de Piranha de Artes (RO)

Duração: 35 minutos

Classificação etária: 14 anos

Local: Palco – 600 lugares

Sinopse: O espetáculo BOI DE PIRANHA é um tema e uma analogia. Perpassa por dados históricos e afetos relacionados à construção da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré “Ferrovia do Diabo” e a Batalha da Borracha no norte do Brasil e a analogia acontece através da ideia do boi dentro da pecuária que é o animal escolhido, geralmente por ser o mais velho ou doente, para ser abatido e entregue às piranhas para o restante do rebanho passar. O migrante nordestino assume essa figura sacrificial dentro do espetáculo transformando-se num Super-Homem que cruza o País para sobreviver e para salvar.

Ficha técnica: Texto: Francis Madson / Direção: Francis Madson / Elenco: Ana Paula Venâncio, Eules Lycaon e Gisele Stering / Cenário, Figurino e Iluminação: Francis Madson / Trilha Sonora: Cia. Boi de Piranha / Maquiagem: Cia. Boi de Piranha / Contra-Regra: Francis Madirson e Elieldo Paes

 ATENÇAO! 

Para se inscrever nas oficinas acima, é necessário preencher a Ficha de inscrição e enviar para o email espacoculturalescolasesc@gmail.com mencionando no assunto: Oficina – Palco Giratório 2015.

 

 

 

 

 

 

Revista Clube de Espectadores 2015 – Abril e Maio

Captura de Tela 2015-04-01 às 14.57.03

 

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR A REVISTA

   O Espaço Cultural Escola Sesc incrementa suas atividades nesses próximos meses. Em Abril e maio teremos diversas atividades, começando pelo Abril, Jazz! no dia 04/04 , projeto que é uma das novidades na programação do Espaço Cultural Escola Sesc e tem como proposta a realização de uma mostra de Jazz com shows aos sábados do mês de abril. Em seguida, no dia 06/06 começa o Poética com várias programações que aproximam o público interno e externo à Escola Sesc de Ensino Médio através de uma diversidade de linguagens artísticas que vão das intervenções poéticas aos recitais. E ao longo do mês ainda teremos as inscrições para o V Concurso Jovens Dramaturgos e começo do Palco Giratório! Fique de olho!

Poética

O Poética é um projeto que pretende aproximar da poesia e da palavra o público interno e externo à Escola Sesc de Ensino Médio através de uma diversidade de linguagens artísticas que vão das intervenções poéticas aos recitais.

poetica

Confira a programação

06/04, de 18h30 às 21h30 – Slam de Poesia

Poetry Slam (competição de poesia falada) com equipes de alunos da Escola Sesc de Ensino Médio, divididos por regionalidades, que, após um breve período de preparação, comporão e pequisarão poemas que serão apresentados durante a atividade. Na ocasião, um DJ animará as apresentações, que contará ainda com um Mestre de Cerimônias e a participação de quatro poetas da metrópole fluminense. O júri será selecionado entre o público presente.

Duração: 120 minutos
Local: Palco do teatro
Classificação: 14 anos
Capacidade: 120 lugares

07/04 às 19h30 – Show Observo de Thiago E. (PI)
Obverso é uma apresentação que conversa com o público usando poesia e música. Quem observa faz pouco. Quem obversa também inventa depois de sentir. O projeto é uma junção de 3 artistas de Teresina: Thiago E (poeta e músico), Joniel Veras (músico e artista plástico) e Jan Pablo (músico e produtor). Thiago E integra a banda Validuaté, no Piauí, é editor da revista Acrobata e lançou o livro e disco de poesia, Cabeça de sol em cima do trem. Jan Pablo e Joniel Veras são a banda Guardia, têm a proposta de fazer discos virtuais, com canções usando programação eletrônica e disponibilizando na internet. Há alguns anos, vêm se destacando em sites e blogs de música independente.

Duração: 60 minutos
Local: Palco do Teatro
Classificação: 14 anos
Capacidade: 120 lugares

08 a 10/04, de 14h00 às 18h00 – Residência artística: Poetas Maranhenses + Poetas catarinenses com mediação de Furio Lonza.
Poetas:
Celso Borges (MA)
Poeta, letrista e roteirista maranhense nascido em São Luís. Tem dez livros de poesia lançados, entre eles Rimbaudemonio (2014) O futuro tem o coração antigo (2014), Música (2006), Nenhuma das respostas anteriores (1996) e Pelo avesso (1985). Como letrista tem parcerias com Zeca Baleiro, Chico César, Fagner e Criolina, entre outros. Foi curador da Feira do Livro de São Luís em 2014 e 2015.

Josoaldo Lima Rêgo (MA)
Poeta, autor dos livros Paisagens possíveis, Variações do mar e Máquina de filmar, todos pela Editora 7Letras. Atua como professor universitário. Cursou o mestrado e o doutorado na FFLCH/USP e estágio no Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra. Participou do Programa Nascente e da Mostra Visualidade Nascente da Pró-Reitoria de Cultura da Universidade de São Paulo. Em 2013, Josoaldo foi indicado ao prêmio Jabuti.

Diego Dourado (MA)
Nasceu em 1986 em São Luís do Maranhão, tendo iniciado sua trajetória artística na metade da década de 90 a partir de cursos livres de pintura. Em 2007 mudou-se para o Rio Grande do Sul e ingressou no curso de Artes Visuais da Universidade Feevale, graduando-se bacharel em 2011. Atualmente é mestrando no Instituto de Artes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e desenvolve uma produção que visa integrar artes visuais e literatura. Diego Dourado vive e trabalha como artista e poeta visual em Porto Alegre (RS).

Demétrio Panarotto (SC)
Chapecó-SC,1969. É professor na UFSC [Universidade Federal de Santa Catarina], e doutor em Literatura pela mesma instituição. Lançou alguns livros (poesia, ensaio e contos), e alguns trabalhos com a imagem voltados para o documentário. Com a banda Repolho e Irmãos Panarotto foram seis CD’s e um compacto. Desde o ano de 1996 ministra cursos de qualificação de professores, palestras, oficinas e workshops nas áreas de literatura, música e cinema.

Roberto Panarotto
Trabalha com design e propaganda no Estúdio Alice, é professor universitário e diretor de cinema. Com o irmão Demétrio possui dois trabalhos musicais: Banda Repolho e Irmãos Panarotto. Ainda nas horas de folga, escreve.
Mediação:
Furio Lonza (RJ)
Nasceu em Triste, Itália, e está radicado no Brasil desde 1958. É escritor, dramaturgo, poeta e jornalista. Tem dezoito livros publicados, duas peças de teatro encenadas e trabalhou em vários órgãos da imprensa brasileira nos últimos quarenta anos. Foi co-editor da lendária revista Chiclete com Banana. Tem 62 anos e mora no Rio de Janeiro.
Atividade exclusiva para poetas convidados e 10 vagas para ouvintes.

08/04 às 19h30 – Show Jean Mafra e Felipe Melo
Jean Mafra e Felipe Melo são dois nomes bastante ativos no cenário musical de Florianópolis. O primeiro, além de artista solo (com um Álbum lançado, além de um EP), durante sete anos esteve a frente da Samambaia Sound Club (com quem gravou dois CD’s), criou o coletivo Clube da Luta, o grupo Bonde Vertigem (que em 2012 lançou o EP “pressa”) e dedica ao seu trabalho como DJ. Melo, por sua vez, é produtor musical, responsável pelo Ôpa Music Estúdio, e trabalha com vários artistas de SC. Em dezembro de 2013 disponibilizaram o EP “Micro-alegria” e em maio próximo lançam seu primeiro disco juntos.

Duração: 60 minutos
Local: Espaço Garagem
Classificação:14 anos
Capacidade: 200 lugares

09 e 10/04, de 14h00 às 18h00 – Residência artística de DJs com mediação de Jean Mafra

Djs:
Nastyman (Bogotá Colombia)
A estranha mistura de sua formação como Internacionalista e Produtor Musical, além de seu passado como membro da banda de Indie Rock “Nasty Jane”, tem influenciado seu interesse em investigar os sons do mundo, produzindo assim mixtapes, remixes e mashups em diferentes gêneros musicais: (Cumbia, Salsa, Champeta, Moombathon, Rock, Punk, Reggae, Eletrorock, House). Tem tocado seu DJ Live Set nos principais clubes do seu país, e participou do ThreeStyle Festival da Red Bull no 2013 sendo finalista nesse ano na categoria Mashups.
Rodrigo S. (RJ)
O patrono do Drum and Bass carioca é reconhecido por agitar o público com uma mistura de Dubstep, UK Garage e Trap em seu case. Em fevereiro de 2014, Rodrigo S foi convidado para tocar na primeira edição carioca do canal inglês de música eletrônica, Boiler Room, com transmissão ao vivo para todo o mundo.
OMULU (RJ)
Sob o codinome OMULU, o produtor carioca Antmaper foi saudado pela
crítica como uma das principais novidades da cena do global bass no Brasil
após chamar atenção de artistas como Diplo, Skrillex, Munchi, Zedd, Nicky
Romero e Calvin Harris.

(Atividade exclusiva para Djs convidados e dez vagas para ouvintes.)
09/04, às 19h30 – Banda Repolho
Banda Repolho é uma banda de colonos cibernéticos de Chapecó-SC. A banda está na estrada desde 1991 e no ano que vem comemora vinte e cinco anos de atividades. Durante este período de atividades, alguns anos mais intensos de shows, outros de gravação e de produção dos discos, contabilizam quatro CD’s e um compacto, além de 3 demo-tapes e participação em coletâneas.

Duração: 60 minutos
Local: Espaço Garagem
Classificação:14 anos
Capacidade: 200 lugares
10/04, às 18h30 – “nouvelle vague?” Alex Hamburger
“nouvelle vague?” discute de forma contundente, confrontadora, a realpertinência e as contradições da linguagem performativa junto ao meio cultural local. Metaperformance.
Alex Hamburger nasceu em 1948 em Belgrado – Sérvia, tendo chegado ao Brasil em 1953, proveniente de Jerusalém. Coisas dos ventos. Desde o início de suas atividades, nos anos 1980, vem desenvolvendo trabalhos em Poesia Verbal, Visual e Sonora, Poemas-objeto, livros-de-artista, performances, palestras públicas, intertextos, parcerias, no país e no exterior, tendo participado de diversas exposições coletivas e individuais, publicado seis livros voltados para o experimental, três cd’s de Poesia Sonora, e criado em torno de 20 trabalhos em
arte-performance.
O trabalho foi originalmente apresentado na Galeria Gentil Carioca.
Duração: 60 minutos
Local: Canto Poético
Classificação:14 anos
Capacidade: 120 lugares

10/04, de 18h00 às 21h00 – Microfone Aberto
O microfone aberto é um sarau contemporâneo que envolve a platéia com música, interação e poesias faladas.
Neste ano o menestrel é o músico Geraldo Junior que junto com músicos convidados receberá os interessados em mostrar sua poética!
Duração: 180 minutos
Local: Anfiteatro
Classificação:14 anos
Capacidade: 250 lugares

overdoze

11/04 – OVERDOZE

A metodologia é simples: serão 12 horas de programação ininterruptas desenvolvida em diversos espaços, simultaneamente ou não.
Tendo a gastronomia como centro de aglutinação e revitalização das energias, a atividade aglutina literatura, cinema, teatro, dança, música e outras manifestações.
Serão distribuídas senhas meia hora antes de cada programação.

Confira a programação

11/04, de 12h00 às 14h00 – Sussurros Poéticos
Poesia sussurrada para cada espectador em cortejo itinerante.
Local: Pilotis
Classificação: Livre
Capacidade: 50 lugares
De 12h às15h – Feirão de trocas literárias e apresentações de performances inscritas
Espaço para escambos literários e para apresentações semi-espontâneas de palavras em geral.

Local: Pilotis, Anfiteatro e outros espaços da Escola Sesc
Classificação: Livre
Capacidade: 10 apresentações e 120 lugares

De 13h00 às 18h00 – Poesia Para Comer
Em um canto poesia, contos e cronicas apresentados por jovens poetas cariocas, no outro canto quitutes feitos por moradores do entorno da Escola Sesc de Ensino Médio.
Comida poética para se reabastecer durante a maratona.

Local: Canto Poético e Café literário
Capacidade: 120 lugares.

De 16h às 17h – Faixa de Cinema – Mostra de Cineclubismo com Irmãos Panarotto
Filmes:
Plástico
Eu queria que aquela sensação durasse eternamente. Mas não é assim que acontece. As coisas nem sempre saem como planejamos. É assim com todo mundo. É assim com você. E comigo foi assim também. Quando os jardins se bifurcam optamos sempre pelo lado errado.
Cerveja Falada
Um trabalho de resgate da memória de um cidadão (Rupprecht Loeffler) de 93 anos de idade, que atravessa e acompanha as movimentações do século XX, mas que mantém o tempo parado dentro de sua cervejaria em uma vida devotada a paixão pelo trabalho e a manutenção de uma tradição familiar. Sua profissão? Mestre cervejeiro. Aprendeu a labuta com o pai, de que herdou a cervejaria e deu continuidade ao seu trabalho artesanal. A cerveja, em suas variações e tipos, é uma obra de arte pela maneira como é realizada na cervejaria “Canoinhense”. A cervejaria, localizada no município de Canoinhas -SC, está em atividade desde 1915.

Local: Porão
Classificação: 14 anos
Capacidade: 25 lugares

17h – Leitura performance eletroacústica
Leitura-performance-eletroacústica feita pelos poetas Annita Costa Malufe, Carlos Augusto Lima, Júlia Studart e Manoel Ricardo de Lima, acompanhados pelo músico Silvio Ferraz e pelo video-artista [dança e arte] Alexandre Veras intitulada PARTITURA-QUIXERAMOBIM.
Duração: 30 minutos
Local: 5º andar
Classificação:14 anos
Capacidade: 25 lugares por sessão

(Será realizada duas sessões deste programa.)
18h00 – Panarotto e Pitomba – Resultado da residência dos poetas
Espaço de mostra dos aglutinamentos poéticos gerados pelo encontros de poetas de Santa Catarina e Maranhão.
Duração: 60 minutos
Local: Porão
Classificação:14 anos
Capacidade: 25 lugares

18h30 – Alex Hamburger: Performance e lançamento do livro Gazetas Esportivas
Ao longo do lançamento da coletânea “Gazetas esportivas”, haverá simultaneamente atuações com outro performer que pode tentar ser descrita como ‘simulações de acionismo desportivo, que tentará engendrar, em torno de 2 horas, um cenário de mobilidade intensa e curiosa.
Alex Hamburger nasceu em 1948 em Belgrado – Sérvia, tendo chegado ao Brasil em 1953, proveniente de Jerusalém. Coisas dos ventos. Desde o início de suas atividades, nos anos 1980, vem desenvolvendo trabalhos em Poesia Verbal, Visual e Sonora, Poemas-objeto, livros-de-artista, performances, palestras públicas, intertextos, parcerias, no país e no exterior, tendo participado de diversas exposições coletivas e individuais, publicado seis livros voltados para o experimental, três cd’s de Poesia Sonora, e criado em torno de 20 trabalhos em arte-performance. Esse trabalho foi apresentado originalmente no MAM-Rio.

Duração: 120 minutos
Local: Palco do Teatro
Classificação: 14 anos
Capacidade: 60 lugares

De 18h00 às 20h00 – DJ – Resultado da residencia

Duração: 60 minutos
Local: Anfiteatro
Classificação: Livre
Capacidade: 250 lugares
20h00 – Afrojazz (RJ) (Integração com a programação do projeto Abril Jazz.)

De 21h00 às 22h00 – Banquete com Dj – resultado da residencia de DJs

Celebração poética dionisiaca realizada em banquete comunitário abraçando o espelho d’agua da ESEM.

Duração: 60 minutos
Local: Anfiteatro
Classificação: Livre
Capacidade: 350 lugares

De 22h00 à 00h00 – DJ – Resultado da residencia

Local: Espaço Cultural Escola Sesc
Endereço: Avenida Ayrton Senna, 5677 – Jacarepaguá
Informações: (21) 3214-7404/ espacoculturalescolasesc@gmail.com
Gratuito.

Uzina 2015 – Seleção final Teatro Iniciante

Turma 1:

Aliene França Barbosa
Arthur  Wagner Fiorini
Caio Sayão Mainenti Silva
Dayane Stefanie Costa Braga
Geovana Henriques Valença
Giovani Oliveira de Almeida
Jean Carlos Saraiva Tobias
Lucas Pinheiro de Sousa Chaves
Lucio Pereira de Araujo
Marcela de Paula Marquez Bento
Mariana Gregolio Lopes
Michael Manhães de Castilho
Marilia Ledja Rodrigues Freire
Pedro Augusto Ribeiro da Silva Frazão
Tarciso Pereira Monteiro Neto
Yan Luca Gomes Cordeiro Santos

Turma 2:
Amanda Bastos Florencio
Byanka Gomes Martins Campos
Bernardo Verissimo Barbosa de Almeida
Caroline Alves dos Santos
Emanuelly Uecker de Oliveira
Francisco César Gracioli Junior
Gabriela Buzzi Ribeiro
Joyce Tezonin Coutinho
Julia Beatriz Tanaka de Sá
Júlia Rocha Casal
Larissa Pinto Fernandes
Maria Vitória Rodrigues Silva
Marina Meloni da Silva Rodrigues
Matheus Ishizuka da Silva
Rafaela dos Santos Pinheiro
Sofia Junqueira Ferraz Backx