V Mostra Teatro na Contramão

     logo teatro na c

O Espaço Cultural Escola Sesc realizará a V Mostra Teatro na Contramão no período de 05 a 17 de agosto de 2013. Teatro na Contramão é uma mostra da cena fora dos padrões mercadológicos e dos gostos constituídos. Uma programação rigorosamente selecionada para compor um painel da diversidade cênica. Com isso, pretendemos continuar a política de fruição e formação de espectadores contemporâneos com os grupos de várias regiões do Brasil.

Em 2013, para a quinta edição do Teatro na Contramão já estão confirmadas as participações dos grupos integrantes do projeto Palco Giratórios com a realização dos espetáculos “O boi” (GO), “as aventuras de uma viúva alucinada” (SE) e “O malefício da mariposa” (PR), além da realizações de oficinas.

O Mostra Teatro na Contramão desde a sua primeira edição tem desenvolvido ações de estímulo à crítica teatral. Esse ano será desenvolvido o seminário A crítica de formação e a formação da crítica no período de 12 a 17 de agosto com a perspectiva de promover o encontro entre profissionais que pesquisam o tema, estudantes de artes cênicas e espectadores que querem pensar criticamente o que assistem. Esse seminário busca oportunizar momentos de reflexão sobre o olhar diante de um objeto artístico, no caso as manifestações cênicas. A crítica teatral será abordada pelo seu viés histórico, mas também como um poderoso veículo de formação do espectador.

A Mostra Teatro na Contramão é realizada no Espaço Cultural Escola Sesc, um equipamento na contramão da cidade não somente pela sua localidade geográfica, mas também por ser um espaço que vem trabalhando há seis anos para a formação cidadã do espectador. Acreditamos que o ato de olhar e fruir um objeto artístico é sempre um movimento de “receber” e “devolver” que precisa ser exercitado cotidianamente.

Download ficha de Inscrição – oficinas

Download ficha de Inscrição – seminários

 

TEATRO NA CONTRAMÃO

Programação 

Espetáculos e oficinas


05/08 – 19h Espetáculo Boi – SerTão Teatro Infinito Cia (GO) – integrante do projeto Palco Giratório

06/08 – 19h Espetáculo As aventuras de uma viúva alucinada – Mamulengo de Cheiroso (SE) – integrante do projeto Palco Giratório

07/08 – das 10h30 às 17h30 – Oficina com o grupo Mamulengo de Cheiroso (SE) – integrante do projeto Palco Giratório

07/08 – 19h Espetáculo R&J Shakespeare – Juventude Interrompida – Direção João Fonseca

08/08 – 19h Espetáculo A Serpente – Cia os Dezequilibrados (RJ)

09/08 – 19h Espetáculo Benedita – Direção de Bruno de Sousa (BA)

12/08 – das 10h30 às 17h30 – Oficina com o grupo Ave Lola Espaço de Criação (PR) – integrante do projeto Palco Giratório

19h Espetáculo Fã Clube – Cia Físico de Teatro

13/08 – 19h – Espetáculo O malefício da mariposa / Ave Lola Espaço de Criação (PR) – integrante do projeto Palco Giratório

14/08 – 19h – Espetáculo Homem Travesseiro – Direção Bruce Gomlevsky/(RJ)

15/08 – 19h – Espetáculo Horse Hotel  – Direção Alex Cassal e Clara Kutner(RJ)

16/08 – 19h – Espetáculo Funk Brasil – 40 Anos de Baile / Direção Joana Lebreiro (RJ)

17/08 – 19h Espetáculo Moi Lui – Cia. Teatral do Movimento (RJ)

 

INSCRIÇÃO OFICINA

Através de ficha de inscrição disponível para download no blog espacocultural.escolasesc.com.br. A ficha deve ser assinada, escaneada e enviada para o e-mail assessoriadeculturaesem@gmail.com. As oficinas se destinam à estudantes e profissionais de teatro. A inscrição é gratuita e única. Receberão certificados os que comparecerem à atividade.

Seja consciente: faça sua inscrição somente se for realmente participar.

Seminário

Ao longo da mostra Teatro na Contramão serão realizados ciclos de seminário sobre A CRÍTICA DE FORMAÇÃO E A FORMAÇÃO DA CRÍTICA  no período de 12/ a 17 de agosto das 15h às 18h). O seminário tem como objetivo criar um espaço de formação e reflexão sobre a crítica teatral para interessados na relação entre espetáculo, espectador e crítica. Entendemos que a critica é sempre uma maneira de compartilhamento entre modos de percepção de uma obra. Para isso serão abordados temas que falarão do papel da crítica enquanto formação do olhar e estímulos que devem ser criados para a formação da crítica.

12/08 – Seminário com Fátima Saadi sobre A crítica e Yan Michalski com mediação de Danielle Ávila Small

Apresentação da atividade crítica de Yan Michalski, desenvolvida em grande parte no Caderno B do Jornal do Brasil, entre 1963 e 1982, em conexão com suas atividades pedagógicas, tanto no Departamento de Teoria do Teatro da Unirio quanto na Casa das Artes de Laranjeiras. Serão realizadas leituras e análises de críticas representativas de seu estilo e de seu modo de apreciação de espetáculos.

Convidada: Fátima Saadi é dramaturgista da companhia carioca Teatro do Pequeno Gesto, no âmbito da qual edita a revista Folhetim e a coleção Folhetim/Ensaios. Formada em Teoria do Teatro (Unirio), com mestrado e doutorado em Comunicação e Cultura (UFRJ), tem colaborado com várias publicações sobre teatro no país, como a Sala Preta (USP) e a revista A[l]Berto (SP Escola de Teatro). Suas últimas publicações como tradutora foram Sobre a fábula e o desvio, de Jean-Pierre Sarrazac (7 Letras) e Um manifesto de menos, de Deleuze (in: Sobre o teatro, Jorge Zahar, 2010). Em 2011 foi indicada na categoria Especial ao Prêmio Shell e ao Prêmio do site Questão de Crítica, pela edição especial de Folhetim sobre Nelson Rodrigues.

 

13/08 – Seminário com Maria Assunção sobre A crítica de Sábato Magaldi com mediação de Fátima Saadi.

No seminário será realizada uma explanação sobre o surgimento da crítica e como ela nasce no Brasil. A seguir será abordado como a crítica está sendo tratada no Brasil, no início dos anos 50 e como o crítico Sábato Magaldi insere-se nesse espaço. Como ele lida com o teatro que não é do seu “gosto”, mas, é o teatro que há naquele momento. Qual é a função do crítico e da crítica? Escrever sobre ou ao lado da obra? Qual a singularidade de Sábato Magaldi?

Convidada: Maria Assunção autora do livro Sábato Magaldi e as heresias do teatro, Maria Assunção é Doutora e Mestre em teatro pela UNIRIO (Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro) e Bacharel em Comunicação Social pela UFF (Universidade Federal Fluminense). Atriz formada pela Escola de Teatro Martins Pena  atuou em diversos espetáculos de  teatro e cinema. Atualmente está em cartaz no longa metragem Vendo ou Alugo,  de Betse de Paula. ( o filme estreia dia 10 de agosto). Trabalhou  como assessora de teatro do SESC Departamento Nacional nos anos de 2008/2010. Desde 2207 é professora do Curso de Teatro da Universidade da Cidade, onde além de orientadora das monografias de conclusão de curso, dá aulas de Interpretação, História do Teatro Contemporâneo e Teatro Brasileiro.

 

14/08 – Seminário com Daniel Schenker sobre A crítica teatral jornalística com mediação de Maria Assunção.

O seminário sobre crítica teatral jornalística abordará as principais transições na prática dessa atividade ocorridas ao longo das últimas décadas. Também será centrado numa comparação entre a crítica jornalística e a ensaística, desenvolvida em publicações impressas e em veículos virtuais.

Convidado: Daniel Schenker é bacharel em Comunicação Social pela Faculdade da Cidade (atual UniverCidade). Concluiu mestrado em artes cênicas pelo Programa de Pós Graduação (PPGT) da UniRio. É doutorando no mesmo programa. Trabalha, atualmente, como colaborador dos jornais O Globo e O Estado de S.Paulo e das revistas Bravo! Preview e Revista de Cinema. Também escreve para os sites www.questaodecritica.com.br e www.criticos.com.br e para o blog danielschenker.wordpress.com.

 

15/08 – Seminário com Alessandra Vanucci sobre A crítica da razão teatral: Roggero Jacob com mediação de Daniel Schenker.

 

 Ruggero Jacobbi, italiano, participou da renovação teatral brasileira na década de 1950, atuando como diretor de teatro, televisão e cinema entre Rio, São Paulo e Porto Alegre. Colaborou de forma marcante como crítico teatral e literário para os maiores jornais e revistas da época. Seus artigos e ensaios “fizeram a cabeça” da geração seguinte, que foi responsável pela construção de uma linguagem nacional e popular na cena moderna brasileira. Ao escrever, Jacobbi entendia-se encarregado da conscientização crítica e política do leitor como de uma missão de pedagogia do gosto que, ampliando os limites da crônica, o engajava na concepção de um novo teatro. Transitando entre prática de palco e projeções de modernidade possíveis, encontrava no exercício cotidiano da crítica a melhor ferramenta de intermediação orgânica entre intelectual e sociedade.

Convidada: Alessandra Vannucci pesquisadora e diretora italiana. Persegue em seus estudos e espetáculos as viagens de pícaros, heróis e artistas. Entre seus trabalhos em teatro: A descoberta das Américas (2005), Pocilga (2006), Herói (2007), Arlecchino all’inferno (2007), Sancio Panza e il cavaliere (2008), Naufragos (2009), Felinda (2010), O cozido (2012).  Formada em Letras na Universidade de Bolonha e doutora pela PUC-Rio, é professora de Teoria do Teatro e Direção. Escreveu ensaios e alguns livros: Brasile in scena (Roma 2004); Uma amizade revelada (Rio de Janeiro 2005); Critica da razão teatral (São Paulo 2005); Un baritono ai tropici (Reggio Emilia 2008); Teatro no Brasil (São Paulo 2012).

 

16/08 – Seminário com Vanessa Oliveira sobre Crítica e  a Teoria Teatral com mediação de Alessandra Vanucci.

Este seminário terá por objeto uma reflexão sobre o que é a teoria do teatro. O ponto de partida desta proposta é o ensaio da professora Angela Materno intitulado “O olho e a névoa: considerações sobre a teoria do teatro”, no qual a autora apresenta uma tentativa de definição para tal noção: “lugar ou momento agonístico em que as visões do espetáculo, do texto dramatúrgico ou das concepções teatrais são expostas às suas próprias névoas – aos seus pressupostos, limites e expectativas”. Esta articulação entre lugar, tempo, luta e imagem será fundamental para se discutir a teoria do teatro em relação com a história e a crítica, trazendo ainda à discussão autores como Jean-Pierre Vernant, Claire Nancy, Jean-Pierre Sarrazac e Georges Didi-Huberman. O Édipo Rei de Sófocles, as experiências simbolistas do encenador russo Vsévolod Meyerhold e algumas referências ao teatro brasileiro mais recente também serão objeto de análise para se pensar a teoria e o teatro como “modalidades do visível”.

Convidada: Vanessa Oliveira possui doutorado em Artes Cênicas pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Atualmente é professora adjunta e pesquisadora desta mesma Universidade, junto ao Departamento de Teoria do Teatro. Em 2008, teve seu livro, Eisenstein ultrateatral: movimento expressivo e montagem de atrações na teoria do espetáculo de Serguei M. Eisenstein, publicado pela Editora Perspectiva.

 

17/08 – Seminário com Daniele Ávila Small sobre O crítico ignorante  com mediação de Vanessa Oliveira.

A proposta do seminário é discutir possíveis desdobramentos da crítica de teatro na atualidade a partir de uma análise do livro O mestre ignorante, de Jacques Rancière, aproximando a crítica das ideias que o livro apresenta para a pedagogia, estabelecendo um paralelo que pode desestabilizar as noções correntes de crítica teatral no cenário cultural carioca.

Convidada: Daniele Ávila Small é pesquisadora, tradutora e crítica de teatro. Mestra em História Social da Cultura pela PUC-Rio, fez a graduação em Teoria do Teatro na UniRio. Em 2008, criou a Questão de Crítica – revista eletrônica de críticas e estudos teatrais, da qual é editora e onde publica regularmente textos críticos, ensaios e traduções de textos teóricos sobre teatro e crítica. Faz a coordenação geral e integra a comissão julgadora do Prêmio Questão de Crítica. É uma das fundadoras e atual Presidente da Projéteis – Cooperativa Carioca de Empreendedores culturais.

 

REGULAMENTO

Vagas Limitadas: 15 vagas

Podem se inscrever estudantes, espectadores e profissionais das artes cênicas – atores, diretores e dramaturgos, através de ficha de inscrição disponível para download no blog espacocultural.escolasesc.com.br. A ficha deve ser assinada, escaneada e enviada para o e-mail assessoriadeculturaesem@gmail.com. O seminário se destina a estudantes e profissionais de teatro e a leitura prévia dos textos é obrigatória. A inscrição é gratuita e única para o curso completo e receberão certificados os que comparecerem no mínimo a 90% da programação.

Seja consciente: faça sua inscrição apenas se for participar de todo curso.

Espetáculos e oficinas

 

05/08 – 19h Espetáculo/ Boi – SerTão Teatro Infinito Cia (GO) – Integrante do projeto Palco Giratório

Trata-se da estória de Zé Argemiro, que, entre suas brincadeiras de menino da roça, tem como favorita a de montar na garupa do boi Dourado. Argemiro prefere a companhia dos bois, com os quais passa horas conversando. Tal particularidade começa a preocupar sua mãe, Maria, e, assim que ele cresce, ela trata logo de arranjar-lhe um casamento. Argemiro decide casar-se com Das Dores. Logo Das Dores põe-se a reclamar de que o boi Dourado recebe mais carinho e atenção que ela. Enciumada e cheia de ódio, Das Dores ameaça matar o boi Dourado. Sua decisão afeta profundamente Argemiro, desencadeando nele inesperada reação. A trama parte de uma bucólica situação inicial, para aprofundar-se na relação de amizade entre Zé Argemiro e o boi.

Ficha Técnica: Texto: Miguel Jorge / Concepção, adaptação e direção: Hugo Rodas / Atuação: Guido Campos Correa / Cenário, Iluminação, Figurino e Trabalho Corporal: Hugo Rodas / Trilha Sonora Original: Victor Pimenta / Coordenador Técnico e Operação de luz: Roosevelt Saavedra / Fotografia: Layza Vasconcelos / Adereço cabeça boi: Marcos Lotufo e Edith Lotufo / Máscara (boi) do Mascarado: Maria Aparecida (Pirenópolis)/ Cenotécnico: Jeová de Lucena / Produção: Lúdica Eventos e Projetos Culturais – Marci Dornelas Realização: SerTão Teatro Infinito Cia.

Duração: 55 min | Classificação etária: 14 anos | Gênero: Drama

 

06/08 – 19h Espetáculo/ As aventuras de uma viúva alucinada – Mamulengo de Cheiroso (SE) – Integrante do projeto Palco Giratório.

 

O espetáculo conta a estória de uma viúva que tendo perdido seu marido se encontra com dificuldade de criar seus três filhos. Recorrendo ao compadre cheiroso, que promete ajudá-la dando emprego com interesse em conquistá-la. Nesse interim, surgem vários pretendentes, entre eles o diabo, que no decorrer da trama leva a viúva e o filho para o inferno. Cheiroso enfrenta o diabo, vence a batalha e traz de volta os dois. Toda a dramaturgia é floreada com muita música, dança e sátiras do nosso cotidiano.

Ficha Técnica: Direção: Augusto Barreto / Elenco: Augusto Barreto, Ananda Barreto e Rinaldo Machado / Músicos: Mary Barreto, Betinho Caixa D´água e Alegria / Figurino: Augusto Barreto e Marlene Barreto / Técnico de Luz e som: José Carlos Pereira / Contra-regra: Eluar Melo          / Texto: Januário Oliveira/ Maquiagem: Rinaldo Machado.

Duração: 45 min | Classificação etária: Livre | Gênero: Teatro de bonecos

 

07/08 – das 10h30 às 17h30 Oficina de Iniciação ao Teatro de Bonecos com o grupo Mamulengo de Cheiroso (SE) – Integrante do projeto Palco Giratório.

 

O ano de foi marcado na história cultural pela criação O grupo Mamulengo de Cheiroso, de Sergipe, existe desde 1978. Comprometido com a cultura popular e enveredado pela pesquisa, o grupo tem montado desde então textos dedicados a valorização das danças e folguedos, dos contos recolhidos da oralidade, linguagem do povo, reforçando a identidade sergipana.

Nome da Oficina: Iniciação ao Teatro de Bonecos

O objetivo da oficina é estimular o conhecimento do teatro de animação, usando a linguagem popular para transmitir a experiência que o grupo carrega nos seus 34 anos de função.

Ministrantes: Integrantes do Grupo Mamulengo Cheiroso / Carga horária: 6h/ Nº máximo de participantes: 15 pessoas

07/08 – 19h Espetáculo R&J Shakespeare – Juventude Interrompida – Direção João Fonseca

 

O ponto de partida é inusitado: em uma escola católica extremamente conservadora, quatro estudantes exploram ‘Romeu e Julieta’ como uma fuga da repressão em que vivem, e através disso exploram suas próprias sexualidades. Eles começam a ler – e depois a ‘viver’ propriamente – todos os diálogos e emoções do clássico. Sem trocas de roupas ou de cenário, a tragédia se desenrola basicamente através das atuações e do jogo cênico proposto por Calarco, com a ‘peça dentro da peça’.

Ficha Técnica: Adaptação: Joe Calarco / Tradução: Geraldo Carneiro / Direção: João Fonseca / Elenco: Felipe Lima, Ícaro Silva, Johnny Massaro e Pablo Sanábio / Cenário: Nello Marrese / Figurinos: Rui Cortez / luminação: Luiz Paulo Nenen / Trilha Sonora: João Bittencourt e André Aquino / Direção de produção: Beto Bk e Giba Ka / Produção Executiva: Letícia Napole / Idealização: Felipe Lima e Pablo Sanábio / Realização: Sevenx, Dois Pontos e O menino e as Ideias.

Duração: 105 min. | Classificação etária: 16 anos | Gênero: Drama.

 

08/08 – 19h Espetáculo A Serpente – Cia Os Dezequilibrados (RJ)

 

Em cena, dois casais vivem no mesmo apartamento, em quartos separados por uma parede. A peça tem início com a separação de um dos casais, concretizado com a partida violenta de Décio (Saulo Rodrigues) que nunca conseguira satisfazer sexualmente a mulher, Lígia (Carolina Ferman). A tristeza de Lígia é intensa e ela deseja se matar, pois mesmo após um ano de casada ainda era virgem e infeliz. Mas a semente do conflito que move a história começa quando a sua irmã Guida (Ângela Câmara) propõe emprestar-lhe o próprio marido, Paulo (José Karini), por uma noite. Este fato cria o triângulo e inicia a tensão entre as irmãs, que passam a disputar o amor do mesmo homem.

Ficha Técnica: Texto: Nelson Rodrigues / Direção: Ivan Sugahara / Elenco: Ângela Câmara, Carolina Ferman, José Karini e Saulo Rodrigues / Stand-in de Saulo Rodrigues: Gabriel Stauffer / Cenário e Figurinos: Desirée Bastos / Iluminação: Renato Machado / Adaptação de iluminação: Leandro Barreto / Trilha sonora: Ivan Sugahara / Assistência de direção: Carol Garcia / Assessoria de imprensa: Daniella Cavalcanti / Programação visual: Luciano Cian / Fotografia: Dalton Valério / Direção de produção: Tárik Puggina / Produção executiva: Carla Torrez Azevedo / Realização: Nevaxca Produções e Os dezequilibrados.

Duração: 50 min. | Classificação etária: 16 anos | Gênero: Tragédia.

 

09/08 – 19h Espetáculo Benedita –Direção: Bruno de Sousa (BA)

 

No palco, uma velha mulher chega ao limite de seus horizontes. Ela carrega uma gigantesca trouxa na cabeça e, em meio aos panos que traz, existem roupas sujas com as quais ela, peça a peça, conta a história de suas antigas e atuais clientes. Essas peças de roupas marcaram sua vida centenária de perdas, encontros, afetos, maledicências, tragédias, risos, dores e superações. Enquanto ela traz à tona essas historias, realiza um ritual de morte e passagem. A trouxa que inicialmente compõe a cena depois revela complexidade própria e acompanha o desenrolar do personagem. Ao final do espetáculo, todo um cenário com múltiplas referências em diversos setores terá saído do hermético pacote.

Ficha Técnica: Direção, dramaturgia e atuação: Bruno de Sousa / Orientação e colaboração dramatúrgica: Fábio Vidal/ Orientação e colaboração cênica: Danilo Pinho / Direção de produção: Fábio Tavares/ Cenário: Rodrigo Frota / Figurino: Diana Moreira/ Desenho de Luz: Pedro Dultra / Trilha Sonora: Leandro Villa  / Maquiagem: Ramona Azevedo

Duração: 60 min. | Classificação etária: 12 anos | Gênero: Drama.

12/08 – das 10h30 às 17h30 Oficina de Interpretação com o grupo Ave Lola Espaço de Criação (PR) – Integrante do projeto Palco Giratório.

Os atores da Ave Lola mantêm uma relação amorosa com a arte de representar. É um grupo de pessoas que busca resistir e preservar a noção de coletividade em um mundo onde tudo se individualiza.

Nome da Oficina: Interpretação

O trabalho de composição e interpretação do personagem passa por um olhar amplo que inclui a forma, o ritmo, as cores, a respiração e o tempo de cada um deles dentro da obra. Essa oficina propõe contribuir para um olhar mais apurado sobre o trabalho do ator, que inclui todos os elementos acima citados, abrindo um espaço de experimentação e exercício na compreensão da interpretação no teatro. Os elementos que serão trabalhados são: a descoberta do personagem a partir do estado, desenho do corpo, ritmo, maquiagem e figurino.

Ministrantes: Ana Rosa Genari Tezza / Carga horária: 6h/ Nº máximo de participantes: 15 pessoas.

 

12/08 – 19h Espetáculo Fã Clube – Cia Físico de Teatro (RJ)

 

 “Fã-clube” conta a história de uma atriz de teatro desconhecida que é sequestrada por dois fãs que ela jamais imaginou ter. Esse é o gatilho a partir do qual a peça se lança no rasto de temas como a coisificação do indivíduo   e o quanto o que somos para nós mesmos pode não ser exatamente o que parecemos aos outros. Com um gênero suspense cômico, o espetáculo envolve o público numa trama e estética original.

Ficha Técnica: Direção: Renato Livera / Autor: Keli Freitas / Orientação artística: Ana Kfouri / Argumento e Atuação: Camila Gama, Igor Angelkorte e Renato Livera / Preparação corporal e direção de movimento: Lavínia Bizzotto / Cenário: André Sanches / Figurino: Bruno Perlatto / Iluminação: Renato Machado / Design Sonoro: Jamba / Visagismo: Sid Sampaio / Fotos: Alvaro Rivero.

Duração: 60 min. | Classificação etária: 16 anos | Gênero: Suspense cômico.

13/08 – 19h – Espetáculo O Malefício da Mariposa / Ave Lola Espaço de Criação (PR) – Integrante do projeto Palco Giratório.

 

Em O Malefício da Mariposa, Federico García Lorca utiliza a fábula para retratar a louca paixão de Curianito por uma misteriosa mariposa com a originalidade e profundidade de poucos. Em meio à atmosfera poética de um estranho jardim, ínfimas criaturas da natureza amam e sofrem de maneira muito parecida à nossa, seres humanos.

Ficha Técnica: Direção: Ana Rosa Genari Tezza / Direção de Arte: Cristine Conde / Composição Musical: JJ Lemêtre / Elenco: Alessandra Flores, Janine de Campos e Val Salles / Atriz aprendiz: Tatiana Dias / Cenários e Figurinos: Cristine Conde / Confecção de Bonecos: Alessandra Flores, Cristine Conde, Janine de Campos e Val Salles / Consultoria de Máscaras: Calu Monteiro / Sonoplastia: Ana Rosa Genari Tezza / Iluminação: Rodrigo Ziolkowski / Assistente de Iluminação: Raul Freitas / Operação de som: Tatiana Dias e Ana Rosa Genari Tezza / Operação de luz: Raul Freitas / Direção áudio visual: José Tezza / Ilustração: Val Salles / Cenotécnica: Proscenium Cenografia / Costureiras: Sueli Matias e Tissa Muniz / Produção: Ave Lola Espaço de Criação / Texto: Federico García Lorca / Adaptação: Ana Rosa Genari Tezza e grupo / Tradução: Ana Rosa Genari Tezza / Técnicos: Raul Freitas, Ana Rosa Genari Tezza e Tatiana Dias.

Duração: 75 min | Classificação etária: Livre | Gênero: Teatro Adulto

14/08 – 19h – Espetáculo Homem Travesseiro – Cia Teatro Esplendor (RJ)

 

Narra os últimos momentos da vida de Katurian (Bruce Gomlevsky), um escritor que vive num país fictício da Europa. Reprimido pelo governo totalitário, ele é preso porque seus contos se parecem com uma série de assassinatos na cidade. Num dos interrogatórios liderados pelos detetives vividos por Tonico Pereira e Miguel Thiré, o personagem descobre que seu irmão, o doente mental Michal (Ricardo Blat), está envolvido na confusão. Quando percebe que será morto, o escritor tenta salvar sua obra literária.
Abuso de poder, intolerância e crueldade nas relações familiares permeiam o espetáculo, do qual o humor não fica de fora.
Misturar assuntos densos com comédia é uma característica da comédia de humor negro. E Martin McDonagh domina muito bem essa arte. Os temas são tão pesados, e a situação é tão surreal e descabida, que a pessoa acaba rindo conclui Gomlevsky, que também produz o espetáculo.

Ficha Técnica: Texto: Martin Mc Donagh / Direção: Bruce Gomlevsky / Tradução: Ricardo Ventura / Elenco / Personagens: Tonico Pereira / Tupolski ,Bruce Gomlevsky / Katurian, Ricardo Blat , Miguel Thiré ou Otto Jr./ Ariel, Ricardo Ventura / Pai, Glauce Guima / Mãe / Cenário: Marcos Flaksman  / Luz: Luiz Paulo Nenen / Figurino: Rita Murtinho / Trilha Sonora Original: Borut Krzisnik / Design / Gráfico: Redondo Design  / Direção de Produção: Carlos Grun / Produção: BG Artentretenimento / Realização: Cia Teatro Esplendor / Assessoria de Imprensa: JSPontes Comunicação – João Pontes e Stella Stephany.

Duração: 180 min. | Classificação etária: 16 anos | Gênero: Drama.

 

15/08 – 19h – Espetáculo Horse Hotel / AKUTNER Produções – Direção Alex Cassal e Clara Kutner(RJ)

 

Nos anos 70, eles eram jovens, acreditavam na arte e em si mesmos.Eles gostavam de música altae máquinas fotográficas. A história de uma menina que amava um menino que amava outro menino. Uma love story punk rock.Em um quarto do decadente HORSES HOTEL, refúgiode artistas e marginais, um casal adolescente reúne seus livros, discos, roupas e sonhos.

Tudo ainda está por inventar: novas regras, novasrelações, novas maneiras de criar. Por sua porta passam michês sedutores, poetas beatniks, roqueiros tímidos, dramaturgos famosos, bailarinos aposentados, colecionadores de arte, viajantes se equilibrando entre a fortuna e a ruína. E todos tem algo a oferecer. A fluidez dos encontros cria umtriângulo amoroso cheio de facetas, misturando adelicadeza do primeiro beijo e a exploração denovos papéis sexuais.

Ficha Técnica: Elenco: Ana Kutner, Emanuel Aragão,Renato Linhares e Roberto Souza / Dramaturgia: Alex Cassal / Direção: Clara Kutner e Alex Cassal / Assistência de direção: Marina Provenzzano / Direção musical e preparação vocal: Amora Pêra e Paula Leal / Direção de movimento: Alice Ripoll / Cenário: Guga Feijó / Figurino: Antônio Medeiros / Iluminação:Renato Machado / Fotos :Felipe Lima / Projeto gráfico Raul Taborda / Produção executiva Sílvia Rezende / Direção de produção Ana Kutner / Realização: AKutner Produções e Eventos.

Duração: 90 min. | Classificação etária: 16 anos | Gênero: Drama.

 

16/08 – 19h – Espetáculo Funk Brasil – 40 Anos de Baile / Direção Joana Lebreiro (RJ)

 

Em uma inédita peça-baile, seis funkeiros cantam, dançam e contam a história e os sucessos do funk carioca, desde a febre do soul, nos anos 70, até os dias de hoje. O texto é baseado no livro “Batidão – Uma História do Funk”, de Silvio Essinger

Ficha Técnica: Idealização: Pedro Monteiro / Texto: João Bernardo Caldeira e Pedro Monteiro / Direção artística: Joana Lebreiro / Elenco: Alex Gomes, Dérik Machado, Luiza Mayall, Marcelo Cavalcanti, Michelly Campos e Pedro Monteiro / Direção musical: Marcelo Rezende / Pesquisa musical anos 70: Leandro Petersen   / Direção de movimento e assistente de direção: Nathália Mello / Iluminação: Djalma Amaral / Figurino: Ney Madeira, Dani Vidal e Pati Faedo / Cenário: Marieta Spada / Assistente de cenografia: Ana Machado / Ilustração de cenário: Coletivo M2FY / Preparação vocal: Pedro Lima / Caracterização: Fernanda Santoro / Fotografia: Andrea Rocha – ZBR / Assistente de Figurino: Renata Lamenza / Estagiárias de Figurino: Cintia Félix, Débora Sayão, Natália Burgos, e Zaira Xavier / Costura: Atelier das Meninas / Operação de som: Joni Mello e Maruscha Spinola / Produção executiva: Angelica Grativol / Direção de produção: João Bernardo Caldeira e Thábata Tubino / Realização: Oswaldo Caldeira Produções e São Bernardo /

Duração: 80 min. | Classificação etária: 10 anos | Gênero: Musical

17/08 – 19h Espetáculo Moi Lui – Cia. Teatral do Movimento (RJ)

 

No palco, duas personagens: um narrador, chamado  A, e outro, chamado Molloy. Molloy parte em busca de sua mãe, numa travessia cheia de aventuras e desventuras. Sua procura pela mãe também pode ser entendida  como  um pretexto para prosseguir e narrar a própria história. Isabel conta que, durante o processo de ensaios, o espetáculo ganhou contornos oníricos, em contraponto a uma tão falada secura e agudeza presente na obra de Beckett, o que lhe pareceu curioso e interessante. “A beleza da obra de Beckett me faz sonhar e sentir menos só,  e talvez estes sentimentos e sensações, sejam fios condutores do espetáculo”, diz Isabel, e  Ana Kfouri completa lembrando que no espetáculo está presente o “sentimento de patetice” a que Beckett se referiu quando declarou: “Foi apenas  quando descobri a minha própria patetice que comecei a escrever as coisas que sinto”.

Ficha Técnica: Concepção, direção e dramaturgia: Isabel Cavalcanti / Atuação: Ana Kfouri / Direção de arte: Rui Cortez / Iluminação: Tomás Ribas / Trilha sonora: Tato Taborda / Identidade visual e projeto gráfico: Helena Trindade / Assessoria de imprensa: André Gomes / Fotos de divulgação: Dalton Valerio / Assistente de direção: Flávia Naves / Assistente de design gráfico: Patrícia Gerstner / Operador de luz: Walace Furtado / Cenotécnica: Carlos Augusto Campos e Leandro Ribeiro – Articulação Cenografia / Controller: Rodrigo Gerstner / Assistentes de produção: Simone Vidal e Taty Maria / Direção de produção: Ana Paula Abreu e Renata Blasi / Produção: Diálogo da Arte Produções Culturais / Realização: Cia. Teatral do Movimento / Idealização: Ana Kfouri.

Duração: 60 min.| Classificação etária: 14 anos | Gênero: Drama.

Anúncios
Esse post foi publicado em Teatro na Contramão. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para V Mostra Teatro na Contramão

  1. Bruno Parisoto disse:

    ol, gostaria de saber onde acontecero essas oficinas e seminrios…att

    Date: Tue, 2 Jul 2013 20:45:28 +0000 To: parisoto.bruno@hotmail.com

Os comentários estão encerrados.