Manual de Fruição – espetáculo IN CONSERTO

Sugestões para melhor fruição do espetáculo IN CONSERTO do Teatro de Anônimo

RELEASE

Um trio de palhaços entra em cena para apresentar suas excêntricas habilidades musicais, porém, muitas trapalhadas e confusões provocam grandes desarranjos nessa peculiar partitura. Depois de tantos acontecimentos, no Gran Finale, essa pequena e atrapalhada orquestra consegue, enfim, “consertar” o concerto e, munida de um acordeom e de dois trompetes, brinda o público com um singelo momento.

Ficha Técnica:

Elenco: João Carlos Artigos (Seu Flor)/ Fábio Freitas (Prego)/  Shirley Britto (Buscapé) Figurino: Iz Gobato e Teatro de Anônimo/ Fotos: Gustavo Gracindo/ Iluminação: Luiz André Alvim/ Criação dos Números: Nani Colombaioni/ Ricardo Puccetti/ Teatro de Anônimo/ Direção Musical: Pedro Pamplona/ Direção Final: Sérgio Machado/ Criação e Concepção: Teatro de Anônimo

Duração: 60 min.

Classificação: 12 anos

 

ANTES

  • Ler o texto abaixo sobre a origem do palhaço

O nome palhaço vem de pagliaccio (omino di paglia, ou “homem de palha”). Isso remonta à pessoa humilde do campo que chega à cidade grande e, muitas vezes, não consegue emprego. Logo, pois, fica sem condições de se manter. Passa a viver na rua, às vezes embriaga-se com cerveja, cuja espuma fica ao redor da boca (é a maquiagem branca), e, de tanto tropeçar nas próprias pernas e cair com o nariz no chão, acaba ficando com o nariz vermelho (é o nariz vermelho, característico da figura de palhaço). Por não ter dinheiro para comprar roupas, ganha suas roupas de outros, mas estas não lhe servem. Por isso, tem uma calça mais curta ou mais larga, um sapato muito grande ou um casaco grande demais, peças descombinadas e desproporcionadas entre si.

O palhaço só aparece numa relação com outra pessoa. Sua principal função é a graça, tanto no sentido de engraçado como no sentido de gracioso. Ele acaba por ser engraçado pelo fato de revelar o ridículo que todo humano carrega consigo, assim como a capacidade que todos têm de errar e de perder a qualquer momento. O local de trabalho mais comum dos palhaços, por ser o mais imediato e simples, é a rua, mas também pode trabalhar em circos, teatros, entre outros, atualmente, em programas de televisão e em apresentações pela Internet. Embora existam palhaços que usam a maquiagem muito forte, eles são a essência da representação do humano, e, por isso, devem moderá-la para que apareça a pessoa por trás do nariz. O corpo e o olhar são os principais instrumentos de relação do palhaço com seu público.

No Brasil, o dia 10 de dezembro é o Dia do Palhaço.

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Palha%C3%A7o

A comédia é o uso de humor nas artes. Também pode significar um espetáculo que recorre intensivamente ao humor. De forma geral, “comédia” é o que é engraçado, que faz rir. O palhaço é a pessoa que, por atos ou palavras, faz os outros rirem. (Dicionário Michaelis Online)

 

 O Circo (de Alma Welt)

A Lona
Imensa tenda armada
em torno de um grande mastro
mais bela
se em frangalhos
mas depressa remendada
como colcha de retalhos
como estrelas, como astro
capturado na teia
de uma seara encantada
que vamos plantar à meia
e fará de todos nós
como num sonho desperto
crianças sob o luar
de um certo
Pierrô lunar

A Banda
Pequena fanfarra mística
onde pistão e tambores
merecem nossos louvores
acima dos violinos
das flautas de toques finos
e de certos requintes
daqueles outros ouvintes
de tão outro parecer
que fomos (sem perceber)
antes de a lona adentrar
antes de ao rito ceder
O Mestre de Cerimônias
Cartola de chaminé
um pouco mais alta até
bigodes que se reviram
e um pontudo cavanhaque
casaca, botas, colete
e (opcional) uma pança
que é sinal de liderança
(apenas como lembrete
haja visto Napoleão)
mas sobretudo um chicote
e sobretudo um anão
pra lhe servir de mascote
Eis o mestre:
um maestro
não da banda
mas do resto

O Palhaço
Se disse
que o palhaço
é triste
Seu nariz
em riste
vermelho
é um espelho
do bêbado
em nós
agora
outrora
ou após
A Trapezista
Como dourado cometa
de formação exemplar
flutua sobre o planeta
convocando nosso olhar
todo pro mesmo lugar:
o de sua aparição
quase a mesma sedução
e milagre pouco aquém
da estrela de Belém
daquela antiga Judéia
mas num certo vai-e-vem
que move a nossa pupila
desde o fundo da platéia
até a primeira fila
A Dançarina de Corda
malabares
de si mesma
paira sobre nossos ares
prendendo a respiração
a nossa
que não a dela
pois mesmo sem rede
ou fivela
ela nem mesmo ofega
tal a concentração
proporcional à entrega
sem truques e sem tramóia
que produz essa jóia
de equilíbrio
e sedução
O Mágico
Mágico já diz tudo
antes da aparição
da sua capa de veludo
Esperamos da cartola
pouco mais que a perfeição
de um coelho
ou de um pato
espelho
do espalhafato
que reflete
o nosso anseio
dessa doce incoerência
dentro do nosso seio
de nossa necessidade
da diária ocorrência
de um milagre perfeito
que seja no nosso peito
senão na nossa cidade

 

 

  • Ler o texto, ver o vídeo de um episódio do seriado Mr. Bean e assistir ao filme “As Férias de Mr. Bean”

Mr. Bean é um personagem cômico, de típico humor britânico, criado pelo ator Rowan Atkinson. É também o nome de uma série de TV e de um filme, que é a compilação da primeira temporada da série, estrelado pelo ator. O primeiro episódio foi transmitido em 1º de janeiro de 1990 pela ITV (Independent Television) e a série seguiu no ar até 31 de outubro de 1995.

A personalidade de Mr. Bean é agradável, divertida e inclusive ingênua e, algumas vezes, malvada. Rowan Atkinson sempre enxergou o personagem como um garoto de 6 anos. Vive em seu pequeno apartamento no norte de Londres (Inglaterra) com seu ursinho de pelúcia Teddy. Mr. Bean fala poucas vezes e quando o faz é sempre com poucas palavras.

O humor da comédia vem em grande parte das originais e excêntricas soluções que Mr. Bean encontra para resolver seus problemas e sua indiferença total por solucionar outros.

Outro fator que deixou o seriado mais engraçado foram as proezas que ele fazia com seu carro modelo Mini Cooper amarelo. Seu volante removível, junto com a tranca de porta, foram as soluções de Bean para evitar que o carro fosse furtado.

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Mr_bean

 

Vídeo: Mr. Bean – Ponto de ônibus – http://www.youtube.com/watch?v=x6ZR1Lr0UmI

 

  • Conhecer mais sobre Os trapalhões

Os Trapalhões foi um famoso grupo humorístico brasileiro que obteve sucesso na televisão e no cinema desde meados da década de 1960 até por volta de 1990. O grupo era composto por Didi Mocó (Renato Aragão), Dedé Santana, Mussum e Zacarias.

O quarteto tinha um programa de televisão homônimo que estreou em março de 1977, antes do Fantástico. Exibido aos domingos, o programa apresentava uma sucessão de esquetes entremeados sem aparente conexão, exceto a presença d’Os Trapalhões. Um dos maiores fenômenos de popularidade e audiência no Brasil em toda a história. Os Trapalhões entrou para o Livro Guinness de Recordes Mundiais como o programa humorístico de maior duração da televisão, com trinta anos de exibição.

 

Filmes dos trapalhões:

Os Trapalhões na Guerra dos Planetas (1978); O Cinderelo Trapalhão (1979); O Rei e os Trapalhões (1979); Os Três Mosqueteiros Trapalhões (1980); O Incrível Monstro Trapalhão (1980); O Mundo Mágico dos Trapalhões (1981); Os Saltimbancos Trapalhões (1981); Os Vagabundos Trapalhões (1982); Os Trapalhões na Serra Pelada (1982); O Cangaceiro Trapalhão (1983);  Atrapalhando a Suate (1983); O Trapalhão na Arca de Noé (1983); Os Trapalhões e o Mágico de Oróz (1984); A Filha dos Trapalhões (1984); Os Trapalhões no Reino da Fantasia (1985); Os Trapalhões no Rabo do Cometa (1985);               Os Trapalhões e o Rei do Futebol (1986); Os Trapalhões no Auto da Compadecida (1987); Os Fantasmas Trapalhões (1987); Os Heróis Trapalhões – Uma Aventura na Selva (1988); O Casamento dos Trapalhões (1988); A Princesa Xuxa e os Trapalhões (1989); Os Trapalhões na Terra dos Monstros (1989).

 

 

 

DEPOIS

 

  • Assistir aos vídeos no Youtube da banda O Teatro Mágico. O grupo mostra como os elementos do circo são aproveitados em outros aspectos, como na música.

O tudo numa coisa só – O Teatro Mágico: http://youtu.be/dXo2B_zA_UI

Zazulejo – O Teatro Mágico: http://youtu.be/PWykmQ1oe90

Pratododia – O Teatro Mágico: http://youtu.be/WRBD1iIeLbE

Entrevista Fernando Anitelli – http://showlivre.uol.com.br/fernando-anitelli-do-teatro-magico-no-mao-na-massa_2059754_videos.html

 

  • Ler e ver os vídeos sobre o grupo Monty Python

Monty Python’s Flying Circus é um programa de televisão britânico que foi ao ar pela primeira vez em 5 de outubro de 1969. Como série televisiva, consistiu de 45 episódios divididos em 4 temporadas. Sua influência na comédia chegou a ser comparada ao impacto causado na música pelos Beatles.

Enquanto no humor britânico sua presença sempre foi nítida, nos Estados Unidos ela é especialmente evidente em programas de conteúdo absurdo como South Park, Adult Swim, trechos de Late Night with Conan O’Brien, além do programa Saturday Night Live. O termo pythonesque, em tradução livre ‘pythonesco’, está em dicionários da língua inglesa para indiciar algo surreal ou absurdo.

O nome Monty Python foi escolhido porque eles o consideraram engraçado. No documentário Live at Aspen, de 1998, o grupo revelou como o nome foi escolhido. Monty veio em tributo a Lord Montgomery, um lendário general britânico da II Guerra Mundial. Python surgiu pois eles decidiram ter uma palavra que também soasse evasiva e essa pareceu perfeita.

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Monty_Python

 

Vídeos:

A piada mais engraçada do mundo – http://www.youtube.com/watch?v=AZgQinsClLQ

Ministério das caminhadas bobas – http://www.youtube.com/watch?v=a17QkZO4mkY

Papagaio morto – http://youtu.be/f3Tz0ULLLlw

Um homem vai a uma loja de animais para reclamar de que o papagaio que ele comprara está morto, enquanto o dono da loja tenta provar que o papagaio está apenas descansando.

 

  • Ler o texto e assistir aos seguintes vídeos de Charlie Chaplin:

Charles Spencer Chaplin nasceu em Londres no dia 16 de abril de 1889 e foi ator, diretor, produtor, comediante, dançarino, roteirista e músico. Chaplin foi um dos atores mais famosos da era do cinema mudo, notabilizado pelo uso de mímica e da comédia pastelão.

Charlie Chaplin atuou, dirigiu, escreveu, produziu e financiou seus próprios filmes. Sua carreira no ramo do entretenimento durou mais de 75 anos, desde suas primeiras atuações quando ainda era criança, nos teatros do Reino Unido, até quase sua morte aos 88 anos de idade. Sua vida pública e privada abrangia adulação e controvérsia.

Seu principal e mais famoso personagem Carlitos, como ficou conhecido no Brasil. A personagem era um andarilho pobretão que possui todas as maneiras refinadas e a dignidade de um cavalheiro, usando um fraque preto esgarçado, calças e sapatos desgastados e mais largos que o seu número, um chapéu-coco ou cartola, uma bengala de bambu e – sua marca pessoal – um pequeno bigode-de-broxa.

Em 2008, em uma resenha do livro Chaplin: A Life, Martin Sieff escreve: “Chaplin não foi apenas ‘grande’, ele foi gigantesco. Em 1915, ele estourou um mundo dilacerado pela guerra trazendo o dom da comédia, risos e alívio enquanto ele próprio estava se dividindo ao meio pela Primeira Guerra Mundial. Durante os próximos 25 anos, através da Grande Depressão e da ascensão de Hitler, ele permaneceu no emprego. Ele foi maior do que qualquer um. É duvidoso que algum outro indivíduo tenha dado mais entretenimento, prazer e alívio para tantos seres humanos quando eles mais precisavam.”

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Charlie_Chaplin

Vídeos:

Tempos modernos: http://www.youtube.com/watch?v=XFXg7nEa7vQ

Carlitos Repórter: http://youtu.be/QmuonvmQFvg

Anúncios
Esse post foi publicado em Escola vai ao Teatro, Manual de Fruição e marcado , . Guardar link permanente.